Wine Show Família Paludo Reúne Gastronomia, Bons Rótulos e Novidades

Na última segunda-feira, 24 de setembro, estive num dos melhores eventos de vinhos do Rio (sem dúvida!). E sabem o melhor de tudo? Aconteceu bem aqui na minha cidade. Realizado no Restaurante Família Paludo, o Wine Show há anos faz parte do calendário gastronômico de Niterói.

WhatsApp Image 2018-10-03 at 10.30.35

A edição 2018 contou com nada mais nada menos que 11 importadoras, que apresentaram algumas das pérolas de seus portfólios – cerca de 90 rótulos, sendo que desses, 30% eram de novidades do setor.

AMBIENTE EM SINTONIA COM OS AMANTES DOS VINHOS

Fato que Niterói entrou definitivamente no mapa vinífero carioca. E não falo só dos eventos e degustações que pipocam pela cidade. A galera do Rio, sobretudo os fãs da boa gastronomia, têm se interessado muito por vinhos finos. Sim, em apreciar e curtir de verdade o que vem dentro da taça.

WhatsApp Image 2018-10-03 at 10.30.34 (4)

Isso ficou bem claro no Wine Show da Paludo, que estava supermovimentado. Sucesso total! O local já ajuda muito, com ambiente intimista, à meia luz, ou seja, um verdadeiro convite aos prazeres de Baco.

PRESENÇA DE GRANDES IMPORTADORES

Os eventos de vinhos são excelentes formas de divulgar a cultura da bebida para o grande público. E faz tempo que as empresas se deram conta dessa importância. Tanto isso é verdade que o Wine Show da Paludo, por exemplo, contou com a presença da Mistral, World Wine, Barrinhas, Cantu, Casa Flora, Interfood, Zahil, Winebrands, Berkmann, Asa Import e Hannover. Sem dúvida, grandes importadoras, com rótulos capazes de encantar curiosos, iniciantes e iniciados.

whatsapp-image-2018-10-03-at-10-30-34-2.jpeg

Nas fotos a seguir inclui alguns dos rótulos que mais me chamaram a atenção. Sem falar na parte de gastronomia, que esbanjou comidinhas deliciosas, incluindo um queijo de cabra maravilhoso e produzido aqui mesmo na cidade sorriso.

Ano que vem espero participar novamente. Afinal, sou “nascida e criada” em Niterói, de modo que valorizo demais os eventos da minha cidade.

Até a próxima! Excelentes vinhos! Tim-Tim!

 

Miolo Encanta em Lançamento de Sua Linha Single Vineyard

Na última terça, 7 de agosto, estive na Majórica, uma das churrascarias mais tradicionais do Rio de Janeiro, para o lançamento da linha Single Vineyard, do Grupo Miolo.

Foi um jantar harmonizado para 150 pessoas e que me surpreendeu muito positivamente, seja pelo serviço, organização, vinhos e pratos apresentados.

whatsapp-image-2018-08-13-at-10-06-53.jpeg

Logo na entrada fomos recebidos com uma taça de Espumante Millésime, um dos meus queridinhos em se tratando de borbulhas genuinamente brasileiras (e olha que somos ótimos em efervescência!).

Em seguida, ninguém menos que Adriano Miolo, enólogo e Superintendente Geral do grupo, nos falou sobre a nova linha, a fim de nos preparar para o que viria: um verdadeiro show de caldos com personalidade para dar e vender (sim, o valor é bem acessível frente a qualidade que os rótulos entregam).

img_20180807_201511349_ll

SINGLE VINEYARD

O Single Vineyard é um vinho de um único vinhedo, onde se encontra a máxima expressão do Terroir. A linha conta com 4 rótulos, sendo que o Touriga Nacional, proveniente do projeto Seival, na Campanha Gaúcha, foi inclusive premiado com 93 pontos pelo Guia Descorchados, referência em fermentados sul-americanos, de autoria de Patricio Tappia.

MIOLO SINGLE VINEYARD RIESLING JOHANNISBERG 2018

Nada como iniciarmos com um branquinho. E, sem dúvida, o Riesling foi um dos meus preferidos. Com estilo alemão renano, é aromático, do tipo que vai abrindo na taça. Aliás, deixei um pouquinho para apreciar com o olfato no final do jantar e estava simplesmente incrível. Harmonizou superbem com bolinhos de bacalhau.

Segundo Adriano Miolo, trata-se de um vinho de safra 2018 com alguns bons anos pela frente, ou seja, ainda tem muito para evoluir. Sem dúvida, apresentou-se como a expressão máxima dessa variedade em solo brazuca.

WhatsApp Image 2018-08-13 at 10.06.54

A uva Riesling Johannisberg, casta mais conhecida por Riesling Renano, deve o seu nome ao Scholoss (castelo) Johannisberg, vinícola alemã da Região do Rheingau que desde 1720 cultiva exclusivamente Riesling.

O Miolo Single Vineyard Riesling Johannisberg é oriundo da Região da Campanha Central, do micro-lote do Vinhedo da Toca do Tigre, Quadra 121, Parcela A, através de colheita manual e seletiva de 1,5 héctares.

WhatsApp Image 2018-08-13 at 11.43.20 (1)

Visão: Límpio, de cor transparente com reflexos esverdeados.
Nariz: Flores e frutas brancas, pura alegria engarrafada.
Boca: Vinho jovem, muito agradável, vívida estrutura ácida, pontiagudo e fresco.

MIOLO SINGLE VINEYARD PINOT NOIR 2017

Continuamos com o Pinot Noir, que já chegou quebrando paradigmas. Afinal, acompanhou nada mais nada menos que Camarão ao Alho e Óleo com Rodelas de Palmito. Ou seja, se você acha que vinho tinto não vai bem com frutos do mar, saiba que esse rótulo leve, da Região da Campanha Meridional, fez muito bonito, viu?

WhatsApp Image 2018-08-13 at 10.06.53 (2)

A Pinot Noir é sempre um dos maiores desafios para qualquer agrônomo e enólogo. Trata-se de uma casta sensível, difícil de cultivar e que se expressa muito bem em lugares frios. Talvez por isso tenha se encontrado no terroir da Quinta do Seival, região de baixas temperaturas, situada quase na fronteira com o Uruguai.

Visão: Vermelho-Rubí intenso, sem reflexos.
Nariz: Franco, com excelente intensidade frutada, bouquet fino e delicado.
Boca: Fresco, foi servido mais geladinho, revelando uma agradável acidez, com taninos delicados.

MIOLO SINGLE VINEYARD SYRAH 2017

Sem dúvida, o Syrah foi o meu queridinho da noite (e de todos os que dividiam a mesa comigo). Vinificado no ano de 2017 no Vale do São Francisco, essa lindeza estagiou por 12 meses em barricas de carvalho francês.

WhatsApp Image 2018-08-13 at 10.06.53 (3)

Ficou divino com Carré de Cordeiro com aquela farofinha esperta da Majórica. Aliás, trata-se dos primeiros resultados da Miolo com a casta Syrah, na Vinícola TerraNova, às margens do Velho Chico.

WhatsApp Image 2018-08-13 at 10.06.53 (4)

Visão: Púrpura com reflexos violáceos.
Nariz: Frutas vermelhas maduras (compota), com nuances defumadas e de especiarias, sobretudo pimenta preta.
Boca: redonda, com baixa acidez e marcante em taninos. Muita presença e persistência.

Um vinho que certamente ainda tem muito o que evoluir. Dá para guardar e degustar daqui a uns cinco anos que, provavelmente, estará em sua melhor forma. Quero uma garrafinha para mim! Fato!

MIOLO SINGLE VINEYARD TOURIGA NACIONAL 2017

Enfim, chegamos ao prato principal, que foi acompanhado pelo Touriga Nacional 93 pontos no Descorchados e que também fez o maior sucesso entre os convidados.

WhatsApp Image 2018-08-13 at 10.06.52

E o que rolou no prato principal? Simplesmente o Bife de Chorizo da Majórica, com batatas chips e legumes grelhados. Casamento perfeito!

WhatsApp Image 2018-08-13 at 11.49.47

O Miolo Single Vineyard Touriga Nacional é proveniente da Região da Campanha Meridional. Feito de uvas colhidas na safra 2017, no micro-lote do Vinhedo da Tapera, Quadra 15, Parcela B, através de colheita manual e seletiva de 1,3 hectares. Mais uma lindeza da Quinta do Seival.

Visão: vermelho-rubi com reflexos violáceos.
Nariz: Notas de flores, frutas vermelhas, baunilha e carvalho (amadurece 12 meses em barricas francesas)Boca: Corpo médio. Notas do nariz se confirmam em boca. Bom volume e persistência.


O gran finale ficou por conta da sobremesa – banana frita com canela e açúcar! Para acompanhar, Miolo Cuvvé Tradition Demi-Sec – um dos espumantes que, particularmente, acho que ficam perfeitos com doces, sobretudo por entregar dulçor e acidez sem se mostrar enjoativo.

E aí, amigos? Quais os rótulos que vocês tiveram mais vontade de provar? Se já degustou algum, conta para mim o que achou.

Até a próxima! Ótimos vinhos! Tim-Tim!

Descubra a Origem dos Nomes das Uvas Tintas

Entre os assuntos sobre os quais eu mais curto pesquisar, sem dúvida, estão as curiosidades sobre o mundo do vinho. Sim, adoro descobrir histórias sobre a origem das coisas, de preferência do tipo que me surpreendam. Afinal, não é à toa que sou Jornalista por formação.

uvas-moradas-fuerte-25640

E se você se interessou por esse artigo, acredito que, como eu, você provavelmente já deve ter se perguntado a respeito do porquê dos nomes de determinadas castas viníferas.

Certamente, a origem dessas denominações tende a ser bastante controversa e muito pouco documentada. Por isso, quando a gente pesquisa sobre o assunto é comum encontrar uma, duas ou até três possíveis explicações sobre esses nomes. Aqui veremos algumas delas, referentes a algumas das cepas tintas mais conhecidas.

Antes de tudo, vale destacar que os nomes das uvas, entre outros dados sobre elas, são oficialmente estabelecidos por uma ciência chamada ampelografia, responsável pelo estudo de variedades de plantas, folhas e frutos da videira. 

MALBEC

Conta-se que um agricultor húngaro chamado Malbek (com K) foi o primeiro a identificar separadamente esta casta, tratando de espalhá-la na França, na área da Cahors, para depois ser levada até Bordeaux, onde também é conhecida como Auxerrois. Logo, o nome Malbek foi adaptado, substituindo o K pelo C, referindo-se a uma palavra similar em francês cujo significado quer dizer “gosto amargo”, fazendo alusão a forma àspera com que a Malbec passou a se expressar naquela região.

MERLOT

Os produtores de vinho franceses sempre se viram numa luta contra pragas mortíferas que ameaçavam seus vinhedos. Porém, uma delas sempre foi uma das mais difíceis de se combater: os pássaros. Tudo porque há frutas que agradam mais ao paladar desses bichinhos – nesse caso, as uvas! Logo, reza a lenda que os Merlis (os pássaros) sempre tiveram um fraco pela cepa que atualmente é denominada Merlot justamente em homenagem a eles.

b9a7c4201ae72c35a23126322b7ab0b9
Merli significa “Pássaro Negro”

CABERNET SAUVIGNON

Esta uva é mais moderna do que se acredita. Trata-se do produto do cruzamento entre a Sauvignon Blanc branca e a tinta Cabernet Franc, antes de 1700. Como sabemos, a Cabernet Sauvignon é a rainha das uvas tintas, difícil de domar, mas que, ao mesmo tempo, cresce e se adapta a praticamente todos os climas.

Cabernet-Sauvignon-Grapes
Uvas Cabernet Sauvignon

Logo, essa casta tomou para si os nomes de seus “pais”, ou seja, Cabernet ( de Cabernet Franc) e Sauvignon (de Sauvignon Blanc). Fala-se, ainda, que a origem do nome Cabernet (derivado de Homem das Cavernas) e  Sauvignon (Selvagem) seria, ainda, em outras palavras, “Homem Selvagem das Cavernas”.

TEMPRANILLO

A origem de seu nome vem da Espanha, onde é amplamente cultivada. É uma das primeiras castas a amadurecer. Ou seja, sua denominação refere-se à palavra “temprano”, que significa “cedo”, em português.

PINOT NOIR

Seu nome deve-se graças ao formato de seu cacho, que em francês se parece um “pinheiro preto”, só que de posicionado de maneira invertida.

TANNAT

É chamada assim devido a grande quantidade de taninos que possui. Logo, “tannat” oficialmente viria de “taninos”, substância responsável pela adstringência nos vinhos tintos.

PETIT VERDOT

Desmembrando o nome em duas partes, temos “Petit” (pequeno em francês) e “Verdot”, que se refere ao momento da maturação da cepa, que costuma se dar acompanhada de uma leve tonalidade verde. Tal uva é de amadurecimento tardio, ou seja, o contrário da Tempranillo.

Efeste_Estate_Petit_Verdot2

 SANGIOVESE

Cepa italiana. O nome vem do latim “Sanguis Jovis”, que significa “Sangue de Júpiter”. Estima-se que chamada desta forma pela primeira vez na época romana.

SYRAH

Reza a lenda que ela vem de “Darou é Shah” (o remédio do rei), uma qualificação dada ao vinho pelo rei-semideus persa Djemchid. Syrah é uma das uvas mais antigas do mundo. Estudos apontam, inclusive, que o vinho citado em diversas passagens da bíblia, como nas Bodas de Canãa e a Última Ceia, certamente teria sido originário da uva Syrah.

CARMENERE

Seu nome provém da palavra francesa “Carmín”, que se refere a cor da folhagem das plantas antes da caída das mesmas, no outono, por exemplo. Trata-se de um leve avermelhado.

Piemonte
Colinas envoltas de névoa no Piemonte

NEBBIOLO

Uva tinta do Piemonte, na Itália, que se qualifica dessa forma em virtude da palavra “nebbia”, que significa “névoa” e se refere a neblina comumente avistada nas colinas onde se situam as videiras durante seu período de colheita.


Então é isso, pessoal! Espero que tenham curtido e espalhem essas histórias para os amigos.

Até a próxima! Ótimos vinhos! Tim-Tim!

Referências: Big Wine Theory, Wikepedia, devinosyvides.

 

 

 

 

 

 

 

 

Wine Day: Decanter Mostra Toda a Força de seu Portfolio em evento no RJ

Rio de Janeiro – Na última segunda-feira, 14 de maio, a importadora Decanter reuniu clientes, trade (força de vendas) e press (imprensa e formadores de opinião) num evento na Pizzaria Camelo, em Ipanema, no qual apresentou grande parte dos rótulos de seu portfolio.

WhatsApp Image 2018-05-16 at 11.51.33

Logo na entrada, fomos surpreendidos com alguns espumantes da marca, com destaque para o italiano Ferrari e o Lírica Crua (aquele sur lie, que mantém as leveduras na garrafa). Tudo geladinho e sintonizado com os rótulos que encontraríamos a seguir.

CHILE BRILHOU COM RÓTULOS DE DIVERSAS VINÍCOLAS

Antes de tudo, vale ressaltar que a Pizzaria Camelo foi uma ótima escolha para abrigar o Wine Day. Além de aconchegante e intimista, o lugar é super bem-localizado na zona sul carioca.

No primeiro andar, foram reunidas as vinícolas chilenas, entre elas El Principal (que trouxe 3 carros-chefes, sendo que o El Principal 2013 foi um dos meus preferidos do evento), De Martino (com muita variedade), Caliterra (com a linha custo-benefício Aventura, todos a R$60, 30 no site,  e os excelentes Edición Limitada A 2010 e Cenit 2007 e 2008, os tops da bodega), Villard (com Pinot Noir e Syrah sempre sensacionais!), Terranoble (curto muito os vinhos dela, mas ainda não conhecia o Reserva Sauvignon Blanc 2017 e adorei!) e, por fim, a Alcohuaz (com três rótulos incríveis, GRUS 2014, Tococo Syrah 2015 e RHU 2011, sendo esse último, na minha opinião, mais um dos grandes destaques do evento). 

SEGUNDO ANDAR COM DESTAQUES DO MUNDO TODO

Quando a gente pensou que o Wine Day estava todo no primeiro andar, eis que as escadas se abriram para mais uma viagem pelo mundo do vinho, desta vez de diversos terroirs espalhados pelo globo. Sim, muitos branquinhos! Já falei por aqui que tenho um fraco por grandes rótulos de cepas brancas, sendo que ultimamente tenho estado in love pelos vinhos de uva Riesling, sobretudo os alemães e alsacianos.

E lá tinha! Meus preferidos foram o Paul Blanck Riesling 2016, da Alsácia, e o alemão Charisma (Riesling Trocken) 2016, sendo este muito aromático, sedutor de verdade.

No mais, fomos para os tintos, que foram representados por rótulos de muita expressão, como o Valpolicella Superiore Casalvegri 2015, Quinta da Gaivosa Douro 2013 e o Basilisco Aglianico del Vulture 2006, um italiano 100% Aglianico que, apesar dos sinais de evolução, ainda tem muitos anos pela frente. 

Me encantei, ainda, pelo Peique Viñedos Viejos 2011, um espanhol 100% Mencía, com uvas oriundas de vinhedos de 45 a 55 anos de idade. Sem falar no Conde Vimioso Reserva 2012, um português regional Tejo, elaborado com 40% Touriga Nacional, 25% Cabernet Sauvignon, 25% Syrah e 10% Aragonez. 

VINHOS DE SOBREMESA

Por fim, vamos aos vinhos de sobremesa que mais me chamaram a atenção. Após diversos rótulos, cheguei a pensar em dispensar os fortificados, mas me deparei com Marsala Superiore Secco 5 Anni DOC, que é um estilo de fortificado da Sicilia, que volta e meia cai nas minhas provas da ABS-RJ (nada como uma dose de aprendizado, não é mesmo?).

Ah, e para fechar com chave de ouro, nada melhor que o Alambre Moscatel de Setúbal 2012, da José Maria da Fonseca. Não consegui provar o Moscatel Roxo 2011, mas também curto demais essa categoria. Em junho será realizado o evento “Vinhos de Setúbal” e, com certeza, teremos variados rótulos de Moscatel para comentar por aqui.


No mais, como sempre, encontrei toda a galera do vinho. Amigos queridos como a Joana Rangel (Divina e Vinho), Fernando Lima (Vinhos com Fernando Lima), Marcelo Marques, Patrícia, Chico Cineasta (Vinhos pelo Mundo), Renatha Brasil  e Marcele (do Circuito do Vinho), entre outros. O clima é sempre bacana, com muita descontração, risadas e aprendizado mútuo. Sim, a gente aprende muito com os amigos.

O Wine Day foi muito bem-organizado na cidade maravilhosa. Não estava lotado e tínhamos total tranquilidade para conversar com os produtores (muitas vinícolas levaram seus profissionais e enólogos). O ambiente estava tão bacana que circulávamos pelos dois andares o tempo todo, sem falar nas comidinhas… Dadinhos de Tapioca com molho de gengibre e as pizzas da casa, sempre maravilhosas!

Então é isso, amigos! Até a próxima! Excelentes Vinhos! Tim-Tim!

 

Notas de Prova: o Frescor do Covela Avesso 2015

Sempre disse por aqui que verão e vinho verde têm tudo a ver. E, sim, justo nessa semana  de muito calor no RJ, calhou de eu receber da WineBrands Brasil um exemplar da casta Avesso, bem típico da região portuguesa dos vinhos verdes.

whatsapp-image-2018-03-06-at-10-20-53-3.jpeg

Logo de cara, fiquei pensando sobre o tipo de comida com a qual eu poderia harmonizar. Me decidi por iguarias da culinária japonesa, sushi e sashimi, para ser mais clara. E, realmente, o Avesso combina bem com comidas frias. Aqui, eu também poderia sugerir uma bela Salada Ceasar. Afinal, trata-se de um vinho fresco e leve, que não combina com nada muito pesado ou substancial.

Mas, e você? Já conhecia esse tipo de uva, Avesso? Então, antes de analisar o vinho, bora aprender um pouquinho sobre a casta em questão.

AVESSO

A casta Avesso é cultivada na região dos Vinhos Verdes. Porém, sua plantação concentra-se próxima da região do Douro, especificamente nas sub-regiões de Baião, Resende e Cinfães. Aí, encontra as condições favoráveis para se desenvolver, uma vez que prefere solos mais secos e menos férteis do que aqueles que habitualmente existem em outras zonas da região dos Vinhos Verdes.

avesso_cacho

Os cachos da casta Avesso são de tamanho médio e os seus bagos são grandes e verde-amarelados. Esta casta origina vinhos aromáticos, bastante saborosos e harmoniosos. As qualidades da casta Avesso são verdadeiramente apreciadas quando as condições de maturação permitem elaborar vinhos com, pelo menos, 11% de álcool (Confesso que fiquei surpresa com o Covela, pois este conta com 12,5%, um pouco mais do que a maioria dos vinhos verdes).

NOTAS DE PROVA: COVELA AVESSO 2015

Se você nunca experimentou um vinho de Avesso, o Covela pode ser uma ótima referência. Tudo porque, além da boa tipicidade,  é elaborado da forma mais natural possível, sem a utilização de aditivos químicos. Trata-se de um branco elegante e bem-equilibrado.

Visual: Amarelo-palha claro, com um brilho que denota toda a sua acidez.

Olfativo: o Covela tem uma certa mineralidade que logo me chamou a atenção, ao passo que suas notas cítricas e florais formam um conjunto muito interessante. É o tipo de vinho para saborear sem pressa, apreciando todas as nuances. 

Gustativo: em boca é seco e bem-equilibrado, sendo que as notas olfativas também se confirmam no paladar. 

classificação4
De forma bem objetiva eu daria 4 tacinhas para ele!

Galera do vinho, adorei esse 100% Avesso. Até porque a maioria dos vinhos verdes que costumo degustar é de corte, ou seja, uma mistura de várias castas da região.

Gostou do vinho? Você encontra ele aqui, no site da WineBrandsBr!

Até a próxima! Ótimos vinhos! Tim-Tim!