Wine Drinks: A História da Sangria

Sem dúvida, a Sangria é um dos drinks mais populares entre os brasileiros. Só perde para a caipirinha! E, sim, ela é feita com o nosso néctar de Baco. Quando criança, tenho lembranças de ir a restaurantes com meus pais e vê-los pedir sangria, numa época em que os vinhos finos tinham o preço elevado e a alternativa para essa delícia era o bom e velho vinho de garrafão.

Pois bem, os tempos são outros (que bom!) e as sangrias se sofisticaram. Hoje em dia, desfrutamos de sangrias de vinhos tintos, rosés, branco (o famoso Clericot) e até azul, que virou moda na Europa. E vocês conhecem a história desse clássico Wine Drink?

sangria2

Bora descobrir!

Durante anos, a sangria tradicional ocupava das toalhas xadrez de piquenique aos restaurantes com mesas ao ar livre. Afinal, esse drink  tem o poder de se adaptar a qualquer ocasião. A receita clássica, todo mundo…

Ver o post original 561 mais palavras

Wine Decor: Barricas Recicladas Deixam a Casa ainda Mais Bonita (Parte 2)

2018 começou com tudo e lá fui eu garimpar ideias de decoração para vocês. Início de ano é sempre assim: a gente quer deixar a casa ainda mais bonita e cheia de boas vibrações. Pensando nisso, trouxe mais um post com ideias para decorar a vida com barricas que não servem mais para amadurecer o nosso amado néctar de Baco.

Então, bora admirar e babar por esses objetos incríveis!

Cooler de Bebidas

apoio para tablet Apoio para tablet

bau Baú ou Mesinha de Centro? Você escolhe!

apoio para velas Apoio para Velas ou Vasos de Flores

fonte Essa fonte enfeita qualquer jardim e, de quebra, você ainda relaxa com o barulhinho da água.

cabideiro Cabide para bolsas, casacos e chapéus.

fruteira Fruteira linda para a cozinha

luminária Essa luminária deixa qualquer ambiente aconchegante e intimista.

revisteiro Revisteiro lindinho de viver


Espero que tenham gostado dessas ideias. Confesso que já estou sonhando em ter alguns desses objetos em casa. Mas sabe o mais…

Ver o post original 39 mais palavras

Winestyle: A Moda da Taça Tulipa Para Espumantes

A taça tulipa publicada nesse artigo de 2017 já está à venda no site brasileiro da Italesse, que trabalha com cristais sem chumbo e entrega em todo o Brasil. A taça Grand Flute Baloom está custando cerca de 300,00 o conjunto com 6 unidades no site.

Volta e meia os especialistas mudam de opinião no que diz respeito à melhor taça para se degustar um espumante. Já foi a “coupe”, a “flûte” e, agora, ora vejam só… estão afirmando que uma taça no estilo tulipa (linda, na minha opinião!) ou uma simples taça de vinho branco seriam os artefatos ideais para analisar aroma e perlage com maior eficácia.

Ver o post original 819 mais palavras

O Mistério sobre o Fundo da Garrafa de Vinho

Volta e meia me perguntam,

“Por que as garrafas de vinho tem aquele fundo enorme para dentro? É sinal de que o rótulo é de melhor qualidade?”

O vinho existe desde os tempos mais remotos, porém, a garrafa de vidro só entrou em evidência no século XVII, quando a bebida se firmou como um produto de alta classe, destinado a celebrações e banquetes. A posterior criação do champagne obrigou a melhorarem ainda mais seu desenho, a fim de deixá-la ainda mais resistente à pressão do gás carbônico. No entanto, essa não é a única razão pela qual até hoje se fabrique garrafas com o fundo interno mais aprofundado. Na verdade, há muitos motivos para isso, quase todos históricos.

Antes da aparição do vidro, o vinho estava mais exposto ao oxigênio, tendo que ser consumido logo, pois, do contrário o mesmo oxidava fácil. A garrafa de vidro permitiu armazenar a bebida durante mais tempo, resultando num vinho melhor. No início, as garrafas eram fabricadas artesanalmente com a técnica de sopro. Eram todas de cor verde, devido às impurezas do material (que não se filtrava) e tinham tamanhos ligeiramente diferentes por conta da produção artesanal, ao passo que sua capacidade variava entre 700 e 800ml. Porém, a verdadeira razão pela qual o fundo era côncavo se dava pelo fato de que não se devia deixar exposto o ponto por onde se havia soprado a garrafa.

Quando fechado, o buraco deixava uma marca no vidro que poderia arranhar uma mesa ou tornar a garrafa instável. Como solução, as garrafas foram projetadas com o fundo côncavo, um design que prevaleceu mesmo após a H. Ricketts & Co. patentear uma forma de fabricar as garrafas mecanicamente, eliminando o problema do ponto do sopro.

No entanto, o fundo côncavo das garrafas de vinho serve para mais de uma função. Uma delas é distribuir a pressão dentro do contêiner , a fim de suportar o processo de rolagem durante o transporte e, principalmente, a alta pressão dos vinhos espumantes. A curva também adiciona peso ao fundo, o que dificulta o desmembramento da embalagem.

Além disso, evita que o vidro rache facilmente, o que diminui a probabilidade de que a garrafa se quebre durante o transporte. Facilita, ainda, a limpeza e a reciclagem, distribuindo o jato de água por todo o fundo.

O mesmo efeito entra em jogo com relação aos sedimentos do vinho, que permanecem nas laterais do fundo quando a bebida envelhece (sem serem despejados na taça). Finalmente, o design permite que as garrafas sejam melhor empilhadas, produz a sensação de que o recipiente contém mais líquido e, sim, permite que o sommelier agarre a garrafa com mais facilidade e explique os benefícios do vinho.

Ou seja, uma garrafa, mil e uma utilidades. E, sim, decidi que, apesar do mundo de conteúdo produzido ao longo desses anos (o Vila Vinífera já tem mais de 3 anos!), vou atualizar bem mais.

Bora, meu povo! Santé!

O que é o que é: não é tinto, mas tem tanino. Não é branco, mas esbanja acidez. Sim, é ele! O meu queridinho Rosé, que me encanta, sobretudo, por sua versatilidade e variedade de estilos. 

Com a chegada do calor, os rosados se apresentam como ótimas opções, seja para acompanhar o happy houre as festinhas à beira da piscina ou simplesmente para apreciar um belo pôr-do-sol à beira mar.

rosc3a9_chapc3a9u-e1506703081560

Liberte-se do preconceito e se abra ao Rosé, que foi a bebida oficial do último verão na França, onde cujas vendas já ultrapassaram as do vinho branco! Sem falar que é o favorito de celebridades como Madonna, Sting e Drew Barrymore. Mas, se você pensa que se trata de uma moda recente, saiba que o Rosé faz parte do mundo do vinho há séculos.

DE ONDE VEM O VINHO ROSÉ

Se o vinho tinto é feito com uvas tintas e o branco com uvas brancas, do que é feito o rosado? Uma vez que as uvas rosadas não existem (com exceção da Zinfandel, mas aí é outra história), a melhor forma de se produzir um bom Rosé é através do contato do suco da uva (mosto) com as cascas. Afinal, são elas que contém as antocianinas, substâncias que transmitem cor à bebida. E quanto maior for o contato do mosto com as cascas, mais cor terá o vinho!

clambake-2666866_960_720

Ou seja, a cor do Vinho Rosé se dá pelo contato do suco (mosto) com as cascas, visto que, sem elas, o resultado será simplesmente o de um vinho branco. E esse contato dura o tempo necessário para um vinho mais claro, casca de cebola, ou mais escuro, em tom de cereja. Pode durar de 1 a 6 horas, de acordo com a preferência do enólogo.

UM POUCO DE HISTÓRIA

Os vinhos mais claros sempre estiveram presentes ao longo da história do vinho. Evidentemente, o termo rosé não era empregado, mas o aspecto lembrava muito essas cores rosadas, alaranjadas e as várias tonalidades assumidas pelo rosé. Isso é mais ou menos intuitivo de conceber, pois em épocas remotas, a técnica de vinificação era rudimentar e pouco dominada. Portanto, as macerações eram relativamente curtas e os vinhos eram tomados normalmente jovens.

vinum-clarum

Além disso, era muito comum fermentarem juntas, uvas brancas e tintas. Não havia o conceito de envelhecimento do vinho, sobretudo antes da existência da garrafa e da rolha. Este gosto antigo chamava esses vinhos como vinhos de prazer. Os vinhos de cores mais acentuadas, semelhantes ao que conhecemos hoje, eram denominados vinhos de alimentação, destinados aos trabalhadores braçais. Eram frutos de macerações longas, prensagens grosseiras, elaborados com pouco cuidado. Os termos usados para esses vinhos eram vin nourriture e vinum rubeum.

Na Idade Média, em vários quadros onde o vinho aparece, notamos uma cor que nos lembra os vinhos rosés. Na época, chamado de Vinum Clarum ou Claret. A foto abaixo ilustra este fato.

4 RÓTULOS PARA DESCOBRIR OS ROSÉS

Agora que vocês já conhecem um pouco mais sobre os Rosados, que tal ir mais a fundo e degustar Rosés de países e estilos diferentes? Aqui eu indico 4 rótulos para começar a brincadeira:

  1. Rosé Francês:

    Falar de rosé no mundo é falar de França. E falar de França, é falar de Provence, seu grande vinho emblemático. 

L’Opale de la Presqu’Ile de St. Tropez é um vinho elegante, fresco e muito saboroso. O visual é de coloração casca de cebola, acobreado, é bem típico da região. Límpido e muito brilhante, possui aromas que lembram rosas, morango fresco, cereja e canela.

provence_2

2- Rosé Português:

Cor-de-rosa e refrescante, o estilo do Mateus, Rosé mais vendido em Portugal, conta com uma efervescência ligeira e extremamente versátil.

vinho_mateus_rose

Criado em 1942, o Mateus tem aquela garrafa linda e estilosa, cujo formato foi inicialmente inspirado nos cantis usados pelos soldados na Primeira Guerra Mundial. Era o preferido de Jimmy Hendrix e, até hoje, dizem que a Rainha Elizabeth II tem sempre uma garrafinha de Mateus em sua adega.

3- Rosé Argentino:

O estilo do Rosé Argentino, elaborado com a uva Malbec, costuma tender mais para a cor cereja. Em alguns casos chega a ser só um pouco mais claro que um tinto. O Crios, da Susana Balbo, na minha opinião, é o melhor em termos de cor, olfato e paladar. Possui nuances de frutas vermelhas e negras frescas, com notas florais. Ótimo Custo-benefício, da Importadora Cantu Wines.

 

rosé_crios

5 – Rosé Brasileiro:

Claro que eu não poderia deixar de sugerir um Rosé 100% nacional. Sou simplesmente APAIXONADA pelo Marie Gabi, da vinícola Routhier & Darricarrère, da Campanha gaúcha (RS). A cor dele é um casca de cebola bem clarinho, do tipo que fica macerando por, no máximo, 1 hora. Além do rótulo fofo, o Marie Gabi possui toques cítricos e herbáceos. No aroma, notas florais, de amêndoas e frutas vermelhas. Vale a pena!

routhier-rose-marie-gabi


Então é isso, viníferos! Fico feliz em ver que mais e mais enófilos estão se rendendo ao néctar rosado, que ainda tem muito o que ser descoberto. Todos os rótulos listados acima foram provados e aprovados por mim e a maioria conta com um ótimo custo-benefício.

Até a próxima! Ótimos vinhos! Tim-Tim!

Referências: Vine Pair, Vinho Sem Segredo