Vinho & Saúde: Por que o Vinho Pode Ser Considerado um Alimento?

Logo de cara podemos dizer que um alimento é qualquer substância, comida ou bebida, que contribua para a nutrição dos seres vivos. Não só para fins nutricionais, como também sociais e psicológicos.

food_wine_2

O alimento é NUTRICIONAL porque fornece matéria e energia para o anabolismo e a manutenção das funções fisiológicas. SOCIAL, porque favorece a comunicação e o estabelecimento de laços afetivos, bem como as conexões sociais e culturais. E PSICOLÓGICO, porque melhora a saúde emocional, proporcionando alegria e satisfação.

Tendo em vista essa definição, não há dúvidas de que o VINHO É UM ALIMENTO, pois, se por um lado, contém macronutrientes (carboidratos e algumas proteínas), que fornecem energia, por outro dispõe de micronutrientes, como sais minerais, oligoelementos e até vitaminas. Isso porque eu ainda nem mencionei o fato de que o nosso néctar fomenta a comunicação, conexões, enfim, junta as pessoas! Ah, e ainda oferece prazer e satisfação. Ou seja, se existe um produto que atende totalmente a definição de alimento, esse com certeza é o VINHO!

BAIXO TEOR DE PROTEÍNAS

As proteínas geralmente são escassas o vinho (em torno de 1 a 2g por litro). Esse baixo teor no vinho, ao contrário do suco de uva, deve-se ao seu processo de produção. Ou seja, se tomarmos por base que a quentidade de proteína reocmendada é de 1g por quilo de peso corporal, chegamos a conclusão de que o vinho não pode ser considerado uma grande fonte de proteínas.

food-2359699_960_720

SEM ADIÇÃO DE AÇÚCAR

Quanto aos carboidratos, estes podem ser encontrados em proporções variáveis, dependendo da forma com que o vinho é elaborado. Durante a fermentação alcoólica, a maior parte dos açúcares do mosto (suco da uva) é transformada em álcool, graças à ação das leveduras. No vinho tinto, os açúcares residuais, como glicose e frutose, representam apenas de 2 a 3 gramas por litro. Já no vinho branco, essa porcentagem pode ser maior.

Além dos citados acima, o vinho também pode conter outros açúcares, como aqueles naturais do álcool. Em todo caso, com exceção de vinhos doces (com açúcar residual), os de sobremesa e fortificados, a maioria dos presentes no mercado atual é de vinhos secos, com baixo teor de açúcar, sendo que, após a fermentação, este nunca é adicionado a esse tipo de bebida.

0% DE GORDURA

Lipídios (gorduras) são compostos químicos formados, principalmente, por misturas orgânicas de ácidos graxos. O vinho não contém lipídios e é essencial que essa susbtância não chegue nem perto da bebida dos deuses, afinal, certamente isso traria um gosto desagradável. O único risco é que as sementes de uvas, quando esmagadas, podem liberar uma espécie de óleo. Por isso, em algumas ocasiões, é possível visualizar algo gorduroso nas paredes da taça depois que se bebe o vinho, mas é raro, bem raro! Ou seja, em geral, o nosso néctar é 0% gordura.

ÁLCOOL E SAIS MINERAIS

O álcool é outra substância que, óbviamente, aparece no vinho. No entanto, é importante notar que o teor alcoólico de um vinho é determinado pela quantidade de açúcar das uvas durante a colheita. No vinho, o % de álcool indica a proporção deste na garrafa. Por exemplo, 14% contém 105ml de álcool por garrafa de 750ml ou cerca de 140ml por litro. O vinho contém, sobretudo, álcool etílico, mas também podemos encontrar outros tipos de álcool, como Glicerina, Metano, Eritritol, entre outros poli-álcoois.

grapes-510425_960_720

Com relação aos sais minerais, vale lembrar que o vinho contém de 2 a 4 gramas de sal por litro. Os minerais que podemos encontrar no vinho são: potássio, sódio, cálcio, cloro, enxofre, flúor, silício, iodo, bromo e boro. Alguns desses elementos são muito raros em alimentos mais comuns de serem consumidos.

O vinho possui, ainda, alguns elementos nutricionais ou oligoelementos, como ferro, cobre, zinco e manganês. Alguns vinhos são bem ricos em ferro, facilitando a boa absorção intestinal. Por outro lado,  o vinho pode conter elementos indesejáveis, como alumínio, chumbo e até mesmo arsênico, embora em proporções praticamente insignificantes.

No vinho também encontramos muitas VITAMINAS, como a B12, B6 e B2, porém, em baixas proporções. O fermentado não contém Vitamina C, apesar desta estar presente naturalmente nas uvas.

OS MARAVILHOSOS POLIFENÓIS

Um dos aspectos que mais é ressaltado nos vinhos fica por conta da quantidade de polifenóis. Isso porque estes são ótimos aliados para a saúde. Se por um lado o vinho branco possui apenas algumas miligramas, por outro, o vinho tinto contém de 1 a 3 gramas por litro de polifenóis que estão, a princípio, concentrados nas cascas, sementes e engaços das uvas.

glass-2731939_960_720

E por que se fala tanto em polifenóis? Essas substâncias são famosas por transformarem o vinho num poderoso aliado na prevenção cardiovascular. Entre os fenóis, distinguimos ácidos fenpolicos ou ácido fenólico, flavonóides (ou fator de vitamina P), antocianos, fleuma, taninos, quinonas e resveratrol.

No vinho  encontramos, ainda, ácidos minerais como tartárico, malico e salicílico, entre outros. Todos eles contribuem para tornar o vinho um líquido alcoólico acídico, cujo Ph está entre 2 e 3, ou seja, uma acidez próxima a do estômago. Desta forma, a bebida facilita a digestão de proteínas alimentares. Logo, a recomendação de se consuir o vinho durante as refeições não vem por acaso e também tem uma razão sob o ponto de vista químico-nutricional.


Depois de tudo isso, é impossível encarar o vinho apenas como bebida alcoólica. Não, não é! O vinho é SIM, um alimento que, se consumido com equilíbrio, faz muito bem paea a saúde. Por essas e outras que tantos países incentivam a produção e o consumo do vinho (infelizmente não é o caso do Brasil, mas isso já é história para outro post).

Então é isso, enoamigos! Uma semana repleta de ótimos vinhos para vocês. Até a próxima! Tim-Tim!

Referência: Vinetur

Vinho & Saúde: 9 Motivos Para Adotar o Vinho Como Estilo de Vida

Sim, você não leu errado! Certamente os apaixonados pelo néctar  já adotaram o fermentado como estilo de vida. Ou seja, é comum ver a galera da enofilia sair para degustar vinhos com os amigos, isso quando não estão em casa cozinhando com vinhos ou arrumando as garrafas na adega. Mas o que muita gente ainda não se deu conta é que, além de ser delicioso e ativar os sentidos, a bebida dos deuses ainda faz superbem para saúde. 

Então, se você ainda não optou por degustar uma tacinha, seja diariamente, durante as refeições, ou junto dos amigos no fim de semana, dá só uma olhada em todos os benefícios que o vinho pode trazer para você:

1. REDUZ O RISCO CARDÍACO

Diversos estudos realizados ao longo dos anos constataram que o consumo moderado de vinho ajuda a manter o coração saudável, fazendo com que o colesterol não se deposite nas artérias. Logo, o consumo de equilibrado do fermentado é perfeito para prevenir doenças cardiovasculares.

heart-176879_640

Há, ainda, pesquisas que mostram que o vinho tinto reduz o desenvolvimento da aterosclerose por conta de seus benefícios anti-inflamatórios e ajuda a reduzir o colesterol ruim. 

2. RETARDA O ENVELHECIMENTO

O vinho contém polifenóis, que são partículas antioxidantes poderosas que ajudam a oxigenar as células, liberando estresse. Já o famosos resveratrol inibe a lipoproteína de baixa intensidade, melhorando as plaquetas. O resultado disso? Uma pele mais saudável e com aparência jovial por muito mais tempo. 

dinner-2021656_640

3- AJUDA A REDUZIR A ANEMIA

O vinho conta com substâncias que contribuem para a redução da anemia no sangue. Entre os oligoelementos encontrados na bebida estão o Lítio, Zinco, Magnésio, Potássio, Cálcio e Ferro.

wine-340493_640

4 – FORTALECE OS OSSOS

Conforme citamos anteriormente, o vinho contém cálcio, que ajuda a fortalecer os ossos. Portanto, o néctar é um poderoso aliado contra a osteoporose. Estudos recentes têm mostrado que o consumo moderado de vinho previne a perda óssea.

uvas-vino

5 – PREVINE A DEMÊNCIA SENIL E O MAL DE ALZHEIMER

O resveratrol presente no vinho impede a formação de placas no cérebro. Sendo assim, algumas pesquisas em idosos têm constatado que pessoas acostumadas a beberem 1 taça de vinho (150ml) ao dia, durante uma das refeições, se saem melhor em testes de memória. 

grapes-2520999_640

6 – REDUZ HEMORROIDAS E VARIZES  

O vinho contribui para o fluxo sanguíneo, evitando a formação de coágulos. Logo, isso ajuda a prevenir hemorroidas e varizes. Diante desta informação, acaba de passar pela minha cabeça que no caso de nós mulheres, é possível que o vinho auxilie, inclusive, na prevenção da celulite.

wine-1978545_640

7 – CONTROLA INFECÇÕES URINÁRIAS

Os componentes presentes no vinho ajudam a eliminar até 85% das bactérias que afetam o trato urinário, impedindo a formação de infecções.

wine-2490636_640

8COMBATE ALERGIAS E ASMA

A quercetina, encontrada no vinho, auxilia na liberação da histamina das células, evitando diversos tipos de reações alérgicas.  

wine-glasses-2403116_640

9 – MELHORA A DIGESTÃO

Os taninos encontrados no vinho tinto provocam o aumento da salivação, que é essencial para que os alimentos sejam bem digeridos pelo organismo. 


 

Então é isso, enoamigos! Mais 9 motivos para degustar e amar ainda mais os nossos amados vinhos. Porém, EQUILÍBRIO, SEMPRE! Os especialistas aconselham o consumo de 1 taça (150ml) por dia, de preferência acompanhando uma refeição.

Até a próxima! Ótimos vinhos! Tim-Tim!

 

Tudo O Que Você Queria Saber Sobre Sulfitos nos Vinhos (e sempre teve medo de perguntar)

Sabe quando você nem exagerou tanto no vinho e no dia seguinte acorda com aquela típica dor de cabeça? Na mesma hora, você coloca a culpa em quem? No seu amado néctar dos deuses? Claro que não! Os responsáveis, meu amigo, são sempre os sulfitos!

two-types-of-wine-1761613_640

Pois bem, hoje cheguei com um artigo definitivo sobre esse elemento misterioso do mundo vinho. Na real, para que serve? Trata-se de um mal necessário ou só uma polêmica típica de enochatos? Bora desvendar isso!

O QUE SÃO SULFITOS?

Aí você olha no contrarrótulo daquela desejada garrafa e lê, “Contém Sulfitos”, geralmente ao lado daquele símbolo proibitivo para mulheres grávidas. Que raios são esses tais de sulfitos? O que estou prestes a beber?

wine-897937_640

Os sulfitos fazem parte do subproduto natural da fermentação, ou seja, você acaba de ouvir eu dizer que ocorrem NATURALMENTE. Quando leveduras e açúcar se juntam para criar gás carbônico (CO2) e álcool, quantidades mínimas de dióxido de enxofre (SO2) também são produzidas nesse processo. Portanto, todo vinho terá pelo menos um pouquinho de sulfitos em sua composição. 

No entanto, não são esses sulfitos gerados naturalmente que incomodam os consumidores e sim aqueles adicionados pela indústria artificialmente após a fermentação. Afinal, a quantidade de sulfitos geradas durante a fermentação é bem pequena, variando de 5 a 40 partes por milhão. Porém, em alguns lugares os vinhos podem conter até 350 partes por milhão, uma quantidade significativamente maior do que a produzida naturalmente.

POR QUE OS SULFITOS SÃO ADICIONADOS AO VINHO?

Trata-se do resultado direto de produtores que adicionam sulfitos aos vinhos acabados, tudo porque esses componentes atuam como conservantes, permitindo que os rótulos tenham uma vida útil mais longa e mantenham o seu sabor. Mesmo os vinhos orgânicos admitem um máximo de 100 partes por milhão de sulfitos por garrafa, embora, em geral, eles tenham apenas de 50 a 75 partes por milhão.

VILÕES DA RESSACA?

Muitos enófilos costumam culpar os sulfitos por suas ressacas matinais. Mas é tudo mito! Os sulfitos não são os vilões causadores da sua dor de cabeça.

ressaca

Afinal, o que muita gente não percebe é que esses mesmos sulfitos são usados em muitos dos alimentos que consumimos diariamente, sendo utilizados, nesses casos, pelas mesmas razões da indústria do vinho, ou seja, esses componentes, nos alimentos, também agem como conservantes, impedindo que eles fiquem ruins ou percam a cor original. Na verdade, alguns dos seus alimentos favoritos podem conter mais sulfitos que a culpada garrafa de vinho.

the-apricot-1838215_640

Por exemplo, frutas secas, suco de limão industrializado e alimentos em conserva podem chegar à sua mesa carregados de sulfitos, com as frutas secas liderando o topo desta lista, visto que chegam a ter dez vezes mais sulfitos que uma garrafa de vinho não-orgânico. Carnes, queijos e sopas pré-embalados também se enquadram nessa categoria, com alguns contendo bem mais sulfitos que uma porção de vinho.

É SEGURO CONSUMIR VINHO COM SULFITOS?

As dosagens de sulfitos utilizadas no vinho são supercontroladas pela legislação dos países produtores de vinho para que estejam dentro de limites seguros para a sua saúde.

Contudo, já que os limites máximos autorizados podem variar muito de país para país, vamos citar, como exemplo, a União Europeia, cujos limites permitidos são:

  •  160 mg/litro para vinhos tintos
  •   260 mg/litro para vinhos brancos
  •  300 mg/litro para vinhos doces
  •   400 mg/litro para vinhos botrytizados

Vale destacar que a maioria dos vinhos fica muito abaixo desses limites, frente aos alimentos aqui citados.


Ou seja, meus amigos, provavelmente os sulfitos não são os únicos responsáveis por aquelas suas dores de cabeça. Porém, existem pessoas que realmente são alérgicas a esses componentes e podem se sentir mal com a mínima presença de anidrido sulfuroso em suas taças.

Justamente por isso aqui no Brasil a lei exige que o contrarrótulo traga a informações de que contém sulfitos. Sou muito a favor desse tipo de transparência, não só com relação aos vinhos, mas em toda a indústria alimentícia.

Se não são adicionados os sulfitos, não é necessário o alerta “contém sulfitos”, visto que a legislação brasileira não exige que se diga “contem sulfitos”, mas “contem conservador anidrido sulfurico INS 220”. Trata-se de um produto específico, usado para colocar “sulfitos” no vinho. Logo, o Ministério da Agricultura não exige a presença dessa frase no contrarrótulo se não foi adicionado o “sulfito” no processo.

O sulfito natural não cabe na descrição do INS 220. E os sulfitos naturais parecem não causar mal, sobretudo quando a quantidade é mínima.

Vale ressaltar, ainda, que vinícolas usam sulfitos em várias etapas da vinificação. Os produtores industriais usam sulfitos assim que a fruta chega à cantina – para evitar fermentação precoce. Mas o sulfito pode ser utilizado inclusive durante a vinificação.

Até a próxima! Ótimos vinhos, com ou sem sulfitos. Tim-Tim!

Estudo Comprova Que Degustar Vinhos Estimula Mais o Cérebro Que Matemática

O ato de degustar um vinho é bem mais complexo do que a gente imagina. Afinal, há uma série de processos cerebrais, sensoriais e motores envolvidos ao longo desse verdadeiro ritual que todos nós, enófilos, conhecemos tão bem.

wine-622116_640

Trata-se de um processo longo, que se inicia desde a escolha da garrafa até o momento em que levamos a bebida à boca. E tudo isso foi comprovado por um estudo conduzido pelo Dr. Gordon Sheperd, neurocientista da Universidade de Yale. “Todos esses processos juntos envolvem mais atividade cerebral que ouvir música ou resolver complicados problemas de matemática”, explicou Sheperd, em seu livro “Neuroenologia: Como o Cérebro Cria a Degustação de Vinhos”.

DEGUSTAÇÃO DE VINHOS É COMO GINÁSTICA PARA O CÉREBRO

O livro do Dr. Sheperd explora todos os processos neurológicos complexos que fazem parte da degustação de vinhos.

A partir do momento em que se visualiza o líquido na garrafa e, em seguida, na taça, até a interação da bebida na boca, incluindo os movimentos da mandíbula, língua, diafragma e garganta, as moléculas do vinho estimulam milhares de receptores olfativos e gustativos. “Ao enviar um sinal de sabor para o cérebro, é desencadeada uma resposta cognitiva maciça que implica no reconhecimento de padrões, memória, juízo de valor, emoção e prazer”, disse o Dr.Sheperd.

14325358898_d36cdfaec1

Todas essas conclusões vieram à tona após outro estudo, documentado pela Revista Fronteiras da Neurociência Humana, publicado em setembro do ano passado. Segundo esse estudo, os cérebros de Masters Sommeliers eram fisicamente mais espessos em virtude da agilidade mental que desenvolveram ao longo de suas carreiras. Ou seja, o estudo contatou com que a prática diária de degustar vinhos realiza uma verdadeira ginástica cerebral.


Enoamigos, volta e meia me surpreendo com esses estudos que atestam cada vez mais que o vinho é sim uma das bebidas mais saudáveis existentes no planeta. E para sentir todos esses benefícios, nada melhor que degustar uma bela taça!

Até a próxima! Ótimos Vinhos! Tim-Tim!

Referência: Decanter.com

Descubra Quais Uvas Realizam as Melhores Misturas (Assemblages)

A elaboração do vinho é, por si só, uma arte. E, sim, admiro quem põe a mão na massa para criar verdadeiras alquimias com uvas. O resultado todos nós sabemos: caldos tão particulares em suas nuances que se tornam únicos e chegam a receber um nome específico. Sem dúvida, uma combinação especial!

235

VAMOS À MAGIA 

Cada variedade de uva presente na mistura do vinho é responsável por adicionar uma determinada característica, que combinada a outras, cria um rótulo perfeitamente arredondado, rico e de suave degustação.

Vinhos de Bordeaux e Champagne, por exemplo, são mundialmente famosos em virtude de suas misturas, que resultam em fermentados excepcionais.

UMA TRADIÇÃO HISTÓRICA

A História desempenha um papel de liderança na criação das melhores misturas do mundo. Tradicionalmente, quando diferentes variedades de uvas cresciam lado a lado na vinha, os vinicultores as colhiam ao mesmo tempo, levando-as juntas para a fermentação. Hoje em dia esse estilo é chamado de “mistura de campo” (o Vinho do Porto ainda é feito desta forma). No entanto, ao longo do tempo, os enólogos perceberam que fermentar cada varietal separadamente poderia resultar em uma mistura mais consistente.

blend

Sendo assim, os winemakers passaram a fermentar cada tipo de uva em barris separados e combinaram os diferentes vinhos numa cuba chamada “cuvée”. Essas cuvées foram, então, vendidas e rotuladas com as regiões onde as uvas eram cultivadas. É por isso que em países tradicionalmente produtores, como França e Itália, é comum ver vinhos com o nome da cidade, como por exemplo, “Rosso di Montalcino” (Tinto de Montalcino), entre outros.

OS BLENDS MAIS POPULARES

Alguns cortes (misturas) de vinhos se tornaram tão internacionalmente famosos que suas uvas chegaram a ser exportadas para todo mundo para que os blends fossem recriados em outros lugares. Vejamos alguns dos mais conhecidos:

BLEND BORDALÊS

Originário da região francesa de Bordeaux, o corte mais popular de todos utiliza Cabernet Sauvignon ou Merlot como ingrediente base, juntamente com a Cabernet Franc, Malbec, Petit Verdot e (às vezes) Carmenére. Existem muitas variações dessa mistura, dependendo de onde ela é cultivada. Por exemplo, na Toscana (Itália) a Sangiovese é misturada com Cabernet Sauvignon e Merlot para criar o blend dos famosos “Supertoscanos”. Na Argentina, a Malbec é combinada à Cabernet Sauvignon para adicionar complexidade a esta que é mais uma variante desse blend tão famoso. 

BLEND GSM

Esse corte, também conhecido como “Blend de Côtes Du Rhône”, vem do sul da França e utiliza Grenache, Syrah e Mourvèdre como ingredientes base, juntamente com a assemblage de outras uvas regionais, como Cinsault, Carignan, Counoise, Grenache Blanc, entre outras.

BLEND DE CHAMPAGNE

A mistura mais usada em espumantes ao redor do mundo consiste numa combinação de Pinot Noir, Chardonnay e Pinot Meunier (usado para acrescentar corpo). Certas regiões adicionam suas próprias castas autóctones (assim como nas Cavas espanholas) ou incluem diferentes variedades (como a Pinot Bianco, em Franciacorta).

BLEND DE VINHO DO PORTO 

As uvas mais importantes utilizadas no fortificado Vinho do Porto são Touriga Franca, Tinta Roriz (Tempranillo), Touriga Nacional, Tinta Cão e Tinta Barroca. Em Portugal, até hoje esse vinho ainda é elaborado por meio de “mistura de campo” e, devido à incrível diversidade de castas na região, alguns exemplares de Porto têm até 52 espécies únicas misturadas.

11852752965_c17ba1cc66

BLENDS EMERGENTES

Com o advento de novas regiões vinícolas, as mesmas passaram a investir em suas próprias misturas. É preciso muita habilidade para desenvolver esses blends, mas em sua maioria, eles envolvem uma mesma ideia – o que cresce junto, vai junto. Vejamos alguns exemplos:

BLEND DE PINOT NOIR (CALIFÓRNIA, EUA)

Para criar um Pinot Noir californiano mais ousado e elegante, às vezes os enólogos costumam adicionar ao blend uma dose de Syrah. E, por conta da legislação (os vinhos precisam conter pelo menos 75% de Pinot Noir para serem considerados varietais únicos) quase sempre isso nem é mencionado no rótulo.

Ainda assim, se você se deparar com um Pinot Noir californiano mais escuro que o normal (sabemos que a Pinot possui a casca fina e costuma resultar em exemplares mais debotados) pode ter certeza que acrescentaram um pouco de Syrah.

BLEND DE CARMENÉRE

A Carmenére é quase como uma irmã da Merlot, porém, mais leve e mais herbácea. Por causa de seu corpo “peso-pena”, alguns enólogos têm sido levados a acrescentar uma pitada de Petit Verdot nas misturas, a fim de dar ao vinho um perfil mais rico e um pouco mais complexo.

VINHO DE CORTE X VARIETAL ÚNICO

A diferença entre os vinhos de corte (blend, assemblage, mistura) e os vinhos elaborados com um único varietal (casta de uva) é comparável ao café de origem única e a mistura de uma casa. Os cafés de origem única apresentam um perfil de sabor muito específico, com notas de degustação definidas, enquanto que as misturas são feitas num estilo bem arredondado, com sabores generalizados. Da mesma forma, se comportam os vinhos.

VINHO VARIETAL ÚNICO: Concentra sabores mais focalizados, nos quais a uva e suas nuances, por diversas vezes, são facilmente identificadas.

VINHO DE CORTE (ASSEMBLAGE): Concentra sabores mais generalizados (por exemplo, “frutas vermelhas”)  e conta com um perfil de nuances mais arredondado, com bom acabamento.


Pois é, enoamigos, quando se trata de vinhos, o aprendizado é realmente constante. Aposto que a próxima vez que você for degustar uma mistura certamente vai se lembrar desse artigo.

Bom domingo! Bons Vinhos e Até a Próxima! Tim-Tim!

*Referência: Wine Folly, Fine Wine Concierge, The Huffington PostVergenoegd Wine Estate