Olimpíadas 2016: Linha Faces, da Lídio Carraro

Uma vinícola gaúcha se superou na arte de unir duas das nossas maiores paixões: vinho e esporte. A Lídio Carraro foi selecionada pelo Comitê Organizador dos Jogos para produzir vinhos e espumantes exclusivos com a marca Rio 2016. E não é de hoje que a empresa desenvolve produtos com esta temática. Em 2014, ela também foi responsável pelos vinhos da Copa do Mundo da Fifa.

Faces-Olímpiadas-Rio-2016

A Linha Faces foi a escolhida para representar o espírito esportivo tanto na Copa de 2014 quanto agora, nas Olimpíadas do Rio de Janeiro. Afinal, nada como um vinho 100% nacional para divulgar um superevento realizado em nosso país.

A LINHA FACES

Entre os exemplares com o selo Rio 2016 estão um Chardonnay, o Merlot e um Rosé Pinot Noir (safra 2015). Este último é, sem dúvida, o meu preferido, até porque não resisto a um bom rosado. Também já tive o privilégio de provar o espumante Faces Rosé, igualmente agradável e perfeito para celebrar vitórias. Espumante e Festa, no esporte, têm tudo a ver (vide as corridas automobilísticas). Estão disponíveis, ainda, os Espumantes Faces Brut Blanc Des Blancs (100% uvas brancas) e Faces Moscatel.

Faces-Rio-2016_editado-500x500

FILOSOFIA PURISTA

A Lídio Carraro é adepta da filosofia purista, ou seja, prioriza o terroir e a mínima interferência no manejo da uva, buscando o aperfeiçoamento através do mapeamento do solo e sua origem. Tal conceito foi implantado pela enóloga Mônica Rossetti, que hoje vive entre a Itália e o Brasil. Vale ressaltar, ainda, que a vinícola não faz correções químicas e nenhum dos seus vinhos passa por madeira. Os taninos são provenientes das próprias uvas, que orquestram tudo isso com excelência. Ou seja, inovação total num mundo onde se costuma supervalorizar o carvalho nos vinhos.

LC1518022016.jpg
O Diretor Comercial Juliano Carraro e a Enóloga Mônica Rossetti apresentam a linha Faces Rio 2016.

E aí? Já escolheu seu Faces favorito para te fazer companhia durante a cerimônia de abertura de hoje à noite? Nada como entrar no clima do espírito olímpico com uma boa taça de vinho.

Boa sexta! Bons Vinhos! Tim-Tim!

 

 

Bate-Papo com Juliano Carraro e Mônica Rossetti, da Lídio Carraro

Fui convidada pela Confraria Amavinho para participar de um bate-papo com ninguém menos que Mônica Rossetti e Juliano Carraro, Enóloga e Diretor de Marketing, respectivamente, da vinícola oficial dos Jogos Olímpicos de 2016 e uma das mais badaladas do país, a Lídio Carraro. A apresentação, com degustação de vários rótulos da empresa, aconteceu ontem, no restaurante  Majórica, refúgio da Amavinho no Rio de Janeiro.

13770532_1067195293362776_6758918948665701_n
Mônica Rossetti em ação

Costumo dizer que o trabalho de um enólogo é semelhante ao de um pintor. Afinal, muitos dos vinhos que degustamos são verdadeiras obras de arte. Agora, qual foi a experiência de degustar os rótulos na presença de quem os criou? Com certeza, vai ficar na memória.

Aos 33 anos, Mônica Rossetti já conta com 31 vindimas no currículo e também pudera! Desde os 18 anos a enóloga, que se divide entre Brasil e Itália, atua tanto no Novo quanto no Velho Mundo, num total de duas safras por ano. Mônica é da turma que tirou o passaporte para o universo vitivinícola cedo, aos 15 anos, quando entrou no ensino médio técnico em enologia. Ou seja, apesar da pouca idade, não lhe falta experiência e isso ficou muito claro para mim ao sentir no paladar os resultados de seu trabalho.

LÍDIO CARRARO VINÍCOLA BOUTIQUE

“Esta vinícola, hoje em sua 5ª geração, é uma das minhas favoritas.”
(Steven Spurrier, em entrevista para a Revista Decanter de Londres)

A Lídio Carraro é uma vinícola familiar, que começou com o objetivo de produzir vinhos que expressassem identidade e território . A empresa decidiu apostar no poder da uva e (pasmem!) não utiliza madeira na elaboração de seus rótulos. “Decidimos trabalhar com uvas de alta qualidade, afinal, o segredo dos grandes vinhos está nesta matéria-prima. Para isso, investimos em vinhedos próprios”, disse Mônica, que afirmou, ainda, que a valorização da matéria-prima também possui o intuito de evitar correções enológicas.

Vinícola Lídio Carraro
Fachada da Vinícola, no Vale dos Vinhedos 

Encruzilhada do Sul (RS), onde a empresa produz grande parte de seus vinhos, é uma das melhores regiões do mundo para a viticultura. Possui clima continental, com amplitude térmica que não ultrapassa os 35ºC, ou seja, condições perfeitas para a produção do vinho. Para Mônica, felizmente a “moda” da madeira nos vinhos já é coisa do passado. “O paladar do consumidor evoluiu e hoje em dia está em busca de vinhos com alma, sem aditivos. Por isso, só incluímos o SO2 antes do engarrafamento. Zero Madeira. O que importa é a qualidade e a expressão da uva”, destacou a enóloga. Esses são alguns dos conceitos que norteiam todos os rótulos da empresa, além da alta qualidade e produção limitada.

RÓTULOS DEGUSTADOS 

Faces Brut Rosé: Com selo dos Jogos Olímpicos 2016, 100% Pinot Noir, esse espumante possui coloração Salmão, inspirada na Provence. Produzido em tanques de aço inox de temperatura controlada (método Charmat), o vinho conta com 8 g/l de açúcar, ou seja, o limite entre a classificação Brut e Extra-Brut. Redondo, frutado e agradável, combina com diversos pratos e estilos de paladar. 

13775583_1067195506696088_1838787459229135568_n

Dádivas Chardonnay 2014: de coloração amarelo claro, com reflexos dourados, o vinho demorou um pouco a abrir, mas nos brindou com aromas de maçã verde, pera, abacaxi e um fundo de mel. Muito fresco, conta, ainda, com toque mineral. 

13838320_1067403376675301_1287300501_o

Agnus Malbec 2014: um vinho que, em minha opinião, não fica devendo nada aos Malbecs argentinos. Vermelho-Rubi com reflexos violáceos, libera aromas de ameixa, amora e violetas. Redondo, com taninos macios, foi uma boa abertura para os demais tintos que estavam por vir. 

13731518_1067195440029428_6600562196594879950_n
Alguns dos rótulos degustados

Maia (2014): o rótulo deste vinho é um charme. Um bigodão, lindo!  O vinho é um corte de Merlot e Ancellotta. 

13730577_1067403400008632_923775686_o

Coletânea (2008): Com selo das olimpíadas Rio 2016, o vinho é um corte de 5 uvas (Tempranillo 60%, Cabernet Suavignon 15%, Alicante 15%, Merlot 5% e Cabernet Franc 5%). Cereja, café, ameixa, couro, avelã, tabaco, alcaçuz e chocolate. Muito bom!

13839934_1067403346675304_1406974841_o

Singular Teroldego (2010): Nunca havia provado um vinho com esta casta e gostei muito. De coloração rubi intensa, possui aroma de frutas negras maduras e especiarias. 

13833152_1067403393341966_686146958_o

Singular Nebbiolo (2011): Estávamos comentando durante a degustação que esse é um verdadeiro “Barolo” brasileiro. Frutas silvestres, como pitanga e cereja e compota. Retrogosto persistente e taninos maduros e redondos. Um espetáculo!

13833500_1067403320008640_79882026_o

Lidio Carraro Tannat (2008): Sem dúvida, o ponto alto da noite ficou para o final. Considerado um dos melhores tannats do Brasil, quiçá do mundo, foi uma ótima surpresa sobretudo para mim, que não tenho a tannat entre as minhas castas favoritas. Ameixa, mirtilo, café, chocolate… Tudo isso sem passagem por madeira. Sem dúvida, uma obra prima. 

13833098_1067404170008555_323564229_o

Outra coisa que a Mônica falou e achei super interessante é que na Lidio Carraro não há pirâmide de produção, ou seja, a segmentação dos vinhos é horizontal. Cada linha possui características particulares para o que se propõe. Porém, sobretudo para o meu paladar, alguns vinhos me emocionaram mais que outros, certamente em virtude destes aspectos.

13728289_1067404913341814_1053951452_o

Enfim,  espero que vocês tenham sentido um pouquinho do que foi o evento, mesmo que virtualmente. Em pleno Dia do Amigo, conheci gente nova em torno da nossa bebida favorita. Ou seja, tudo de bom!

Boa quinta! Tim-Tim!