Notas de Prova: Surpresa Boa Com o Perfumado Circe Sauvignon Blanc

Sim, enoamigos! Domingo foi o Dia das Mães e fomos almoçar com a sogrinha. O prato principal eu já sabia qual seria: Camarão ao Catupiry no Forno. Um clássico da família! Servido com arroz e batata palha fica ainda mais saboroso. O vinho escolhido para acompanhar essa ocasião tão especial foi essa amostra do Circe Sauvignon Blanc, que recebi da Vinícola Helios.

WhatsApp Image 2017-05-16 at 09.59.46

CIRCE SAUVIGNON BLANC 

De coloração amarelo-palha médio, o Circe surpreende logo no primeiro nariz, com aromas de frutas tropicais muito flagrantes, como Maracujá, Manga e Abacaxi. Mas uma característica que eu amo na Sauvignon Blanc e que ele tem de sobra são as notas herbáceas. E no segundo nariz estas ficam ainda mais evidentes! Identifiquei como aquele “cheirinho de mato” gostoso e grama cortada. Sem dúvida, um rótulo que nos aproxima da natureza em todos os sentidos.

As impressões olfativas se confirmam em boca, tanto com as frutas tropicais quanto com as notas vegetais, adicionando, ainda, um toque cítrico perceptível e agradável. 

Na mitologia grega, Circe é filha de Helios e deusa da Lua Nova, do amor físico, feitiçaria, encantamentos e sonhos. Tomando por base que todos os nomes dos vinhos da vinícola possuem alguma ligação com a mitologia grega, dizemos que Circe é o número 1 dos 5 rótulos que correspondem a essa associação. 

Imagem1

Apesar dos 13% de teor alcóolico, o vinho desce fresco, haja vista a sua acidez equilibrada e de bastante tipicidade quando se trata de um Sauvignon Blanc. Após essa análise, amigo, você já deve ter imaginado que o Circe casou superbem com o Camarão, ao passo que potencializou todo o seu sabor, tornando o nosso momento Dia das Mães ainda mais delicioso! O vinho promete, ainda, fazer bonito com Queijo de Cabra, seja fresco ou curado. Experimente incluir Pêras Portuguesas nessa combinação. É satisfação garantida! 

A VINÍCOLA HELIOS

Criada em 2014, a Helios é uma empresa jovem, mas com objetivos bastante ousados, visto que pretende se tornar uma das cinco principais marcas de vinhos finos nacionais. Isso mesmo! A Helios é uma vinícola brazuca, sediada em Monte Belo do Sul (RS), com parcerias comerciais nas regiões Sul e Sudeste do país, com destaque para as cidades de São Joaquim (SC) e Guaporé (RS).

Mais do que produzir vinhos, a Helios deseja estar associada a todos os momentos inesquecíveis daqueles que apreciam um bom fermentado. Afinal, vinho é celebração, estar junto e misturado! E foi exatamente isso que eu senti no domingo. O Circe fará com que eu me lembre sempre daquele momento especial com a família e os amigos. 


Amigos enófilos, recebi outros rótulos da Helios e pretendo degustá-los em breve. Estou especialmente ansiosa com relação aos tintos, pois tenho ouvido falar superbem de todos. Ou seja, vem mais surpresa boa por aí!

E lembre-se: Vinho Branco é Para Ser Apreciado o Ano Todo, Ok? 

Até a próxima! Ótimos vinhos! Tim-Tim!

Anúncios

Borbulhas Nacionais: Conhecimento e Descontração na École du Vin

Na última noite de sábado eu e o marido estivemos na École Du Vin, do amigo Sommelier Marcelo Marques, para o Master Class “Borbulhas Nacionais”, só com espumantes da nossa terra. Aliás, eu acredito muito em destino e parece que nos últimos meses o vinho brasileiro tem se aproximado de mim com muito amor no coração. E nem preciso mencionar que a recíproca é verdadeira.

WhatsApp Image 2017-05-15 at 12.04.27
Rótulos degustados em sua ordem, da esquerda para a direita.

Ando apaixonada pelos rótulos do nosso terroir, sem falar que faz tempo que eu desejava participar de uma Master Class do Marcelo. E soube que nos encontros da École já foram explorados “Vinhos Búlgaros”, “Vinhos Peruanos”, entre outros assuntos supercuriosos. Mas não é que tudo conspirou para que eu estivesse presente em “Borbulhas Nacionais”? O aulão foi além das minhas expectativas e agora conto tudo para vocês!

A ÉCOLE DU VIN

Se você acha que uma Master Class sobre vinhos tem que ser algo sério e repleto de rituais, aqui não é o caso. Na École do Vin, me senti numa reunião de amigos. Para começar, fomos recebidos pela linda e simpática Patricia Pacheco, que nos conduziu a um ambiente aconchegante e intimista, com uma bela vista para o Cristo Redentor. Sim, até ele estava de braços e coração abertos para o néctar brasileiro.

WhatsApp Image 2017-05-15 at 12.05.12
Sommelier Marcelo Marques em ação.

Esse clima de acolhimento e descontração se dá, sobretudo, pelo fato das turmas serem sempre reduzidas, com no máximo 10 participantes. Marcelo Marques conduziu a aula com maestria, falando sobre os métodos de produção do Espumante (charmat e champenoise), estilos, além de um pouco da história do nosso terroir e das vinícolas responsáveis pelos rótulos que em breve iríamos degustar. Uma verdadeira viagem que me deu orgulho de ser brasileira!

Aliás, a palavra “Wine Time” volta e meia era pronunciada. Nessa hora, belos espumantes nacionais eram derramados em nossas taças, sempre acompanhados de delícias como queijos, canapés e embutidos.

WhatsApp Image 2017-05-15 at 12.05.27
Sim! Também teve um Vinho Surpresa!

A cada pausa do Marcelo Marques, nós, participantes, trocávamos experiências, conhecimentos e tirávamos dúvidas. Afinal, como bem disse o Sommelier, “Se alguém chegar para você e disser que sabe TUDO sobre vinho, esse alguém é um grande mentiroso”. Está certo, Marcelo! Vinho é aprendizado constante e os maiores especialistas possuem como principal característica a humildade.

Em menos de 1 hora de evento passei a sentir como se conhecesse aquelas pessoas há muito e muitos anos. E foi exatamente esse o clima! Com certeza quero prestigiar outros encontros sempre que a agenda permitir.

BORBULHAS NACIONAIS DEGUSTADAS 

Foram servidos espumantes dos mais diversos para que degustássemos de forma a captar todas as nuances. Havia rótulos mais leves, elaborados pelo método Charmat (segunda fermentação em autoclaves – tanques de inox) e outros mais complexos, produzidos pelo método tradicional champenoise (com segunda fermentação na garrafa). Foram 8 vinhos em ordem aleatória, o que deixou a brincadeira ainda mais divertida!

WhatsApp Image 2017-05-15 at 12.04.46
Os espumantes e algumas das delícias servidas durante a  MasterClass

1- QUINTA DON BONIFÁCIO BRUT – Abrimos os trabalhos com esse exemplar de Caxias do Sul (RS). Elaborado pelo método Charmat, é leve, frutado e fácil de beber. Possui 12% de volume alcoólico (50% Chardonnay e 50% Pinot Noir) e alguns prêmios, como Bruxelas 2012 e Avaliação Nacional de Espumantes 2013/2015.

2- AURORA PINOT NOIR PROCEDÊNCIAS BRUT – Rótulo cooperativa vinícola Aurora, simplesmente a maior do Brasil quando se trata da produção de espumantes e vinhos tranquilos. Elaborado pelo método Charmat (100% Pinot Noir), possui uma linda coloração amarelo-acobreado e se apresentou mais complexo na taça, com um pouco de tostado, além dos já esperados aromas frutados e de um toque herbáceo. Adorei!

3- CAVE AMADEU ELEMENTOS BRUT (FAMÍLIA GEISSE) – Quando se trata de Geisse, sou muito suspeita para falar, visto que tenho amor profundo por tudo o que eles elaboram em sua Vinícola na IG de Pinto Bandeira (RS). O Cave Amadeu é uma de suas obras-primas. Elaborado pelo método Champenoise (80% Chardonnay e 20% Pinot Noir), é cremoso e possui perlage delicada e persistente, cor amarelo-palha médio e aromas de flores, leveduras e frutas maduras.

4- DON GUERINO BRUT – Produzido pelo método Charmat, o Brut da Don Guerino contém 100% da variedade Chardonnay, como um Blanc Des Blancs. Seu terroir está localizado em Alto Feliz, na Serra Gaúcha. De coloração amarelo-palha com reflexos esverdeados, chega no nariz com muitas flores e frutas.

5- RIO SOL BRUT ROSÉ GRAND PRESTIGE – Quem me conhece sabe que esse é o meu rótulo queridinho para o churrasco com os amigos. Elaborado pelo método Charmat (100% Syrah), o rótulo é produzido no Vale do São Francisco, um terroir relativamente novo, localizado entre os paralelos 8 e 9, no Nordeste Brasileiro (divisa entre Bahia e Pernambuco). Fresco e jovial, possui uma cor linda, cereja-claro. Muito frutado e floral, desce fácil e é, sem dúvida, um dos melhores custo-benefícios do mercado. 

6- CAVE AMADEU ELEMENTOS BRUT ROSÉ- Mais uma belezinha da família Geisse, esse rosado é elaborado pelo método Champenoise (100% Pinot Noir). Com perlage fina e elegante, é bem aromático, com notas de frutas vermelhas e um toque de especiarias. Simplesmente um dos meus rótulos favoritos.

7- MOSCATEL AQUARELA ROSÉ CASA PERINI – Enfim, a borbulha de sobremesa. Direto da Vinícola Casa Perini, anda famoso por ter sido escolhido como o vinho de sobremesa de uma das provas do badalado programa de TV MasterChef Brasil realizada no Vale dos Vinhedos. Como sou espectadora assídua do programa, estava bem curiosa para experimentar. E como me surpreendeu! Antes de tudo, foi um par perfeito para a deliciosa Mousse de Maracujá preparada pela Patricia.

Para completar, possui equilíbrio perfeito entre acidez e açúcar. Por isso, não chega a ser doce e enjoativo como vários outros exemplares de Moscatel que encontramos por aí. Possui uma coloração rosada linda e que fica ainda mais exuberante na garrafa transparente. No nariz, rola uma explosão de frutas e flores. Sensacional! 

8 – VINHO SURPRESA! BOSSA Nº 6 ESPUMANTE BELINNI VINÍCOLA HERMANN – Eis o tão falado rótulo surpresa. Uma inovação da Vinícola Hermann, de Bento Gonçalves, o Bossa nº 6 faz as vezes do drink italiano Bellini (receita original com Prosseco e Suco de Pêssego)É elaborado com Chardonnay e uma pequena quantidade de suco. De coloração rosada para vermelha, conta com notas de pêssego e frutas cítricas com um fundo que lembra baunilha. Fresco, é uma ótima ideia para um Welcome Drink  em parceria com canapés. Mais um excelente custo-benefício! Recomendo!


Então, é isso enoamigos! Sem dúvida esse encontro foi uma grata surpresa e o Sommelier Marcelo Marques mandou superbem! Explica sem complicação, sem mostrar o vinho como uma bebida intimidante. Recomendo para todos os apreciadores que desejam aprender brincando, sem o ambiente sério de muitos cursos voltados para profissionais. Foi um superprograma para o sábado à noite! Quero voltar mais vezes!

WhatsApp Image 2017-05-15 at 12.04.15
Cada participante levou para casa esses mimos da Ibravin 🙂

A École du Vin conta com o apoio do Instituto Brasileiro do Vinho (IBRAVIN), além das lojas Arte dos Vinhos (Cadeg), Deu La Deu Vinhos, Wine Way, Espírito do Vinho, Serrado Vinhos e Olivier Bebidas.  

Até a próxima!

Boa semana! Ótimos vinhos! Tim-Tim!

Dirceu Scottá Fala Sobre Dal Pizzol e os Desafios do Vinho Brasileiro

Na última quarta-feira, 10/05, estive no Pow Boteco Espumante, comandado pelo amigo Luiz Fernando Macedo, para a palestra do Dirceu Scottá, Presidente do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e enólogo da Vinícola Dal Pizzol, tradicionalíssima e localizada na Rota das Cantinas Histórias no Distrito de Faria Lemos, no Rio Grande do Sul.

WhatsApp Image 2017-05-10 at 21.04.59
Com Dirceu Scottá e os amigos Beatriz Machado, Luiz Fernando Macedo e Fábio Cunha

POW BOTECO ESPUMANTE 

Para começar, fiquei totalmente encantada pelo Pow. Localizado na Lapa (Rua do Senado, 41), o lugar é puro deleite para os amantes do espumante nacional. Sim, pois a casa dispõe de uma carta maravilhosa, munida com os melhores rótulos do nosso terroir, incluindo belezinhas das vinícolas Pizzato (que assina o delicioso espumante com a marca da casa), Miolo, Hermann, Dal Pizzol, Geisse, entre outras. Logo que cheguei, encontrei dois amigos, o Fábio Cunha, do curso de Wine and Business da FGV, além da bela e simpática Beatriz Machado, da Wine and Travel Enoturismo.

WhatsApp Image 2017-05-12 at 08.43.15

Além de ter a missão de divulgar e fomentar o espumante brasileiro, o Pow ainda conta com uma extensa programação que inclui música ao vivo, palestras, mini-weddings (para quem deseja celebrar o casamento só com os íntimos), karaokê e happy hour. Tudo para reunir a galera apaixonada por borbulhas! Sem falar que a casa está com altos projetos, entre eles, a Academia Brasileira do Espumante, além de outros cursos de especialização em Vinhos, Azeites, Queijos, Chocolates… ou seja, de tudo o que há de melhor no mundo da enogastronomia.

O Luiz Fernando apresentou, ainda, o renomado Duda Ribeiro, Chef que promete agitar ainda mais a cozinha do Pow com delícias sob medida para acompanhar a temática efervescente do local. 

DIRCEU SCOTTÁ E OS ESPUMANTES DAL PIZZOL

Enfim, fomos conduzidos ao segundo andar da casa, onde Dirceu Scottá nos aguardava para falar sobre a Vinícola Dal Pizzol, da qual é nada mais nada menos que enólogo-chefe. Scottá começou abrindo nossos horizontes sobre a história da vitivinicultura no Brasil, que começou em 1878 com os imigrantes italianos, entre eles a Família Dal Pizzol que, inicialmente, fazia parte de uma cooperativa, até plantar suas primeiras videiras em 1940. E, em 1978, centenário da vinícola, foi lançado o famoso Cabernet Franc “Do Lugar” até hoje um dos seus maiores bestsellers.

WhatsApp Image 2017-05-12 at 08.45.37

DEGUSTAÇÃO DE ESPUMANTES 

Em seguida, iniciou-se a degustação dos belos espumantes Dal Pizzol, por ordem de peso (do rótulo mais leve até o mais substancial). Começamos com o Brut Charmat (60% Chardonnay e 40% Pinot Noir). Com aromas cítricos e nuances de mel e abacaxi, é uma mistura de várias safras.

Aliás, nessa hora o Scottá nos explicou que uma das lutas da Ibravin é a de que espumantes que contenham pelo menos 85% de uvas da mesma safra sejam rotulados com o ano da colheita, ocorrendo, assim, uma maior padronização. Esse Brut possui 12g/l de açúcar, estando bem de acordo com o paladar do brasileiro, que em sua maioria prefere exemplares com um pouco mais de açúcar residual.

WhatsApp Image 2017-05-12 at 08.45.06

Já o Rosé Charmat (60% Pinot Noir e 40% Chardonnay) possui seu vinho base macerado com as cascas, retirando o máximo de coloração da Pinot. E que cor! O rosé possui uma tonalidade casca de cebola intensa que eu amo em vinhos desse estilo. A garrafa é transparente. Então, amigos, vocês já podem imaginar o quanto fica bonito!

Trata-se de um rótulo muito agradável, com notas de frutas vermelhas, flores e um toque cítrico. Apesar do preconceito com os vinhos rosés ter sido discutido nesse momento, por experiência própria, sinto que isso tem mudado. Afinal, um dos artigos mais acessados daqui do blog é o 5 Pratos Para Acompanhar Um Vinho Rosé. Sucesso absoluto!

Então, chegamos na parte que eu mais gosto: a dos espumantes elaborados pelo método tradicional champenoise, extremamente gastronômicos!

O Brut Tradicional fica 18 meses em contato com as leveduras na garrafa e a segunda fermentação leva em torno de 30 dias para acontecer. Nele, encontramos nuances totalmente diferentes, como torrefação, amêndoas e frutas mais complexas, em virtude do contato com as leveduras. Ah, e aquele cheirinho de pão saído do forno que os amantes do espumante conhecem bem. 

Além disso, esse Brut já é mais seco que o Charmat, visto que contém apenas 7g/l de açúcar. Por isso, deixa a boca mais enxuta, com mais estrutura e um belo final.

COMPLEXO ENOTURÍSTICO DAL PIZZOL

Antes de nos apresentar o gran finale, Scottá falou sobre o Ecomuseu da Cultura do Vinho, localizado numa área de 8 hectares em meio à vinícola. Nele, é possível conhecer arados e utensílios utilizados pelos imigrantes italianos, além de um espaço sob medida para a diversão da garotada.

amp_dalpizzol_ecomuseu-07
Ecomuseu da Cultura do Vinho

CONCEITOS DA VINÍCOLA

Aliás, vale lembrar que a Dal Pizzol conta com vinhos 100% varietais, com exceção dos espumantes, produzidos em pequenos lotes, a fim de preservar o máximo de sua qualidade. A vinícola acredita ainda na não-intervenção do carvalho, produzindo caldos modernos, com total expressão da fruta, alinhando-se ainda mais com o estilo dos Vinhos do Novo Mundo e a tendência mundial de exemplares mais frutados e com menos madeira.

Segundo Scottá, outro projeto da Ibravin é o de tornar obrigatório na rotulagem se o vinho foi adicionado de carvalho (com o uso de chips, dominós etc.) ou envelhecido em barris de carvalho. Tais informações atualmente são praticamente inexistentes nos rótulos, confundindo totalmente os consumidores. 

O GRAN FINALE: DAL PIZZOL NATURE 40 ANOS 

Para fechar as degustações com chave de ouro, nos foi servido o Dal Pizzol Nature, parte integrante das 3 mil garrafas produzidas para a comemoração dos 40 anos da vinícola. Sem dúvida, foi um dos pontos altos da noite.

O Nature (60% Pinot Noir e 30% Chardonnay) chegou carregado de um nariz imponente, com notas de pão, pêssegos maduros, avelãs e amêndoas. Possui estrutura marcante, elegância e finesse e pode continuar evoluindo perfeitamente na garrafa.

WhatsApp Image 2017-05-12 at 08.40.32

Segundo Dirceu Scottá, esse champenoise harmoniza totalmente com a nossa brasileira feijoada. Confesso que quando ele falou isso combinei os aromas na minha cabeça e logo me deu água na boca. Sem falar que a garrafa é linda de viver. Uma verdadeira joia! Possui apenas 1,5g/l de açúcar, no estilo dos melhores champanhes do mundo.

Scottá falou, ainda, sobre outros desafios do vinho nacional, sobretudo com relação à vontade política, praticamente inexistente, de transformar o nosso vinho em alimento, difundindo sua cultura por aqui e fomentando, assim, o mercado interno.

A própria logística entre os estados (para transporte das garrafas) já se mostra como um obstáculo, sem falar na falta de incentivos e tributação altíssima, que encarece os nossos vinhos frente aos rótulos de outros países. 


Então é isso, enoamigos, foi uma honra estar presente nesse encontro e aprender um pouco mais sobre os vinhos da nossa terra com uma das grandes figuras do cenário vitivinícola brasileiro.

18341731_10211995765707354_5214562199703640297_n

Parabéns ao Luiz Fernando Macedo e toda a equipe do Pow Boteco Espumante por difundir a cultura do vinho nacional e organizar uma noite, sem dúvida, memorável.

Até a próxima! Ótimos vinhos! Tim-Tim!

Mais Do Que Nunca O Vinho Nacional é COISA NOSSA!

Amigos, na última quinta-feira, 4/05, tive a honra de participar de uma verdadeira festa do vinho brasileiro. O evento “Coisa Nossa Vinhos e Etc” agitou o Novotel de Botafogo (RJ) com enófilos apaixonados, imprensa especializada e profissionais do ramo de bebidas e gastronomia. Sucesso absoluto!

18301015_1318303788250942_1886438007628707456_n

Logo no início, já esbarrei com muita gente bacana que eu só conhecia virtualmente, como os queridos colegas Joana Rangel (Blog Divina e Vinho), Ana Borba (Blog Da Água Para o Vinho) e Fernando Lima (Vinhos com Fernando Lima), além do amigo Fábio Dobbs (Além da Taça).

img_20170504_150406
Olha só eu com a Joana Rangel (Divina e Vinho) e o simpático Nicola, da Le Chateaux Laurentia.

DESTAQUES BRASILEIROS 

Após um bate-papo com a galera, degustamos algumas pérolas do nosso terroir. Primeiro da Serrado Vinhos (Tijuca – que se destaca pelos exemplares da vinícola catarinense Villa Francioni), em seguida Vinícola Pericó (também catarinense), Cave Nacional (e-commerce do amigo Marcelo Rebouças, que trouxe para o evento nada mais nada menos que o badalado Maria, Maria Syrah da vinícola mineira de mesmo nome), Routhier & Darricarrère, Cattacini Vinhos, Vinum Rio (que só vende vinhos finos nacionais, como o rótulo Don Laurindo), Grupo Miolo (com vários rótulos de prestígio, como o espumante Millésime, Quinta do Seival – tinto e o maravilhoso Alvarinho), a mineira Luiz Porto, Decanter (com os rótulos da Hermann e Quinta da Neve), Lidio Carraro, Pizzato (amei o espumante Brut Champenoise deles!), entre outras.

img_20170504_1425021

Outro destaque ficou por conta da Vinícola Le Chateaux Laurentia, com seu espumante  Brut elaborado com as uvas Montepulciano e Nebbiolo. Uma surpresa maravilhosa!

VINHO MINEIRO

Eram muitos rótulos e infelizmente não consegui degustar todos. Porém, o que mais me chamou a atenção foi a forte presença dos mineiros, certamente por suas vinícolas terem uma grande aceitação aqui no Rio de Janeiro.

O “Maria, Maria Syrah”, exposto no stand da Cave Nacional, foi responsável por um dos maiores reboliços do encontro. Tudo porque se trata de um  vinho de produção pequena e muito elogiado (seu nome é sim, uma homenagem ao grande cantor e compositor Milton Nascimento).

cave

Já a Luiz Porto Vinhos Finos (Cordislândia-MG) nos brindou com uma palestra memorável, proferida pelo Diretor da Vinícola, Luiz Roberto Porto Júnior (em breve teremos um artigo exclusivo sobre ela, visto que foi realmente muito bacana!), que falou principalmente a respeito das particularidades do terroir mineiro e da técnica de poda invertida, através da qual a colheita das uvas é realizada no inverno. Da vinícola, degustamos os vinhos da linha Dom de Minas (Merlot e Cabernet Franc), assim como o belo espumante Luiz Porto Brut.

img_20170504_161705
Luiz Roberto Porto Júnior, Diretor da Luiz Porto Vinhos Finos.
img_20170504_164355
Dom de Minas Cabernet Franc: surpreendente a estrutura!

PALESTRAS

Também tive oportunidade de prestigiar a palestra Panorama do Mercado de Vinhos Brasileiro, com o brilhante escritor Rogerio Dardeau, autor do aclamado livro “Vinho Fino Brasileiro”.  Expert em terroir nacional , Dardeau falou, entre outros assuntos, sobre as novas regiões vinícolas brasileiras, bem como as particularidades de cada uma, incluindo Microclima, Denominação de Origem (Vale dos Vinhedos) e Indicação Geográfica. Ao longo da palestra, degustamos rótulos de algumas vinícolas, como o Chardonnay 2015 da Pizzato e o Chenin Blanc da Catacini, elaborado em parceria com a Vinícola Miolo.

img_20170504_182150
Rogerio Dardeau: uma aula sobre o Vinho Nacional

Valdiney Ferreira, professor do curso de Wine Business da Faculdade Getúlio Vargas, ministrou a palestra “Vinhos do Brasil – Do Passado Para o Futuro”. Me chamou a atenção os números de vendas e consumo do mercado brasileiro, assim como a criação das primeiras cooperativas nos anos 30. Enfim, o Brasil ainda exporta pouco frente a outras regiões vinícolas e tem tudo para que seu vinho ocupe um lugar de prestígio no mundo.

img_20170504_184725

Durante a palestra, degustamos alguns rótulos, entre eles o Espumante Brut Rosé da Luiz Argenta (100% Pinot Noir), o Alvarinho Quinta do Seival, da Miolo (Maravilhoso!) e o Agnus Tannat, da Lidio Carraro (destaque na Expovinis 2016). DETALHE: todos os vinhos foram servidos às cegas, para a gente descobrir. Ou seja, é sempre uma experiência muito bacana. 

GASTRONOMIA

O Coisa Nossa também contou com o que há de melhor na gastronomia. Não consegui resistir aos croissants e biscoitinhos da Blé Patisserie (de Itapaiva). O Francisco Patitucci, um dos sócios,  foi supersimpático com todo mundo. Me atrevo, ainda, a elogiar os macarrons. Maravilhosos e muito bem-feitos!

Outro destaque ficou por conta dos queijos artesanais da capixaba Orolatte e da mineira Serra das Antas (meus amigos sabem que não resisto ao queijo tipo Reblochon da marca). Enfim, tudo de primeiríssima qualidade, muito a ver com o clima do evento, que ainda contou com música ao vivo e muita gente bonita e engajada no mundo do vinho.


Então é isso, gente! Podem ter certeza que ao longo do ano ainda teremos muitos outros eventos em homenagem ao vinho nacional. Sim, é uma forma de divulgar o nosso néctar não só internacionalmente como também para o mercado interno. Afinal, os consumidores brasileiros ainda não se familiarizaram totalmente com os nossos vinhos, que não ficam devendo aos de nenhuma outra região vinícola ao redor do mundo.

Sem dúvida, todos os organizadores do Coisa Nossa estão de parabéns! É o tipo do evento que cumpre perfeitamente o papel de difusão da cultura do vinho.

Até a próxima! Ótimos vinhos! Tim-Tim!

Mar de Borbulhas: Miolo é a Primeira Vinícola Brasileira a Armazenar Suas Garrafas Em Caves Submarinas

Sempre falo por aqui que os espumantes brasileiros já ganharam o mundo. Afinal, não é de hoje que o nosso terroir é conhecido como um dos melhores para a produção desses vinhos, sendo, inclusive, comparado ao da mítica região francesa de Champagne.

unnamed

EFERVESCÊNCIA MARÍTIMA

E nossos produtores querem mais, muito mais! Este mês a Vinícola Miolo, uma das mais inovadoras do país, comemora os 6 meses de imersão do primeiro lote do espumante Miolo Cuvée Tradition Brut (um dos meus nacionais favoritos!) no mar da província de Bretagne, na França, e anuncia a imersão de um segundo lote ainda este ano.

“A imersão do primeiro lote já está gerando expectativas comerciais no Brasil e no exterior, pois vamos retirar as garrafas entre outubro e novembro deste ano, período em que tradicionalmente aumentam as vendas de espumantes devido às festas de final de ano. Certamente muitos apreciadores e colecionadores vão querer adquirir um exemplar do primeiro produto brasileiro envelhecido em cave submersa, antecipa Adriano Miolo, superintendente do grupo.

VANTAGENS DA CAVE SUBMARINA

Sabemos que o armazenamento perfeito de um vinho depende literalmente de condições ideais de “temperatura e pressão”, além de escuridão e umidade total.

A ideia de utilizar o mar como adega não é novidade. Em 2002, Yannick Heude, proprietário da Cave de L’Abbaye Saint-Jean, começou a experiência de submergir garrafas de vinho na baía de Saint-Malo. Em termos de temperatura, umidade e luz, Heude não tinha dúvidas de que o mar seria uma excelente adega. “O que nós não podíamos prever era o efeito das fortes marés e das correntes (a 15 km/h), que massageiam as garrafas duas vezes ao dia”, explica.

unnamed

Em 2007, 600 garrafas de vinho (metade tinto e metade branco) foram resgatadas do fundo da baía, depois de um ano de repouso em engradados de madeira. Além de Heude, produtores de vinhos da região do Loire, como Christophe Daviaud, estiveram presentes na degustação às cegas que se seguiu.

Para Daviaud, responsável pelos Anjou Village de Brissac-Quincé usados na experiência, os brancos apresentaram aromas de carvalho mais óbvios, enquanto que os tintos evoluíram mais lentamente, em comparação aos não-submersos.

“O processo de envelhecimento é certamente diferente. Parece que depois de um ano, o vinho sai do mar rejuvenescido, com aromas e sabores mais arredondados. água salgada como experiência. Não há dúvidas que o fenômeno das marés tem um papel importante nesses resultados”, explicou Yannick Heude 

A CAVE SUBMARINA DA MIOLO

As garrafas do Miolo Cuvée Tradition Brut estão dispostas horizontalmente em um container especial que propicia seu contato direto com as correntes marítimas. Elas serão comercializadas em uma edição especial no Brasil e na Europa.

A ação inédita realizada pela Miolo celebra o sucesso internacional do Cuvée Tradition Brut na França: ele foi o espumante brasileiro mais vendido em Paris em 2016. O rótulo é elaborado no Vale dos Vinhedos (RS) com uvas Chardonnay e Pinot Noir pelo Método Tradicional de fermentação na própria garrafa, o mesmo utilizado pelas maisons francesas para a elaboração de Champagne. Lembro-me de um reveillon inesquecível que tive com o Miolo Cuvée Tradition e nem preciso dizer que o ano seguinte foi maravilhoso.

Agora, a pergunta que não quer calar: Qual será o precinho do Cuvée submarino, hein? Estou mega ansiosa para experimentar todas as nuances da guarda desses espumantes que, sem dúvida, é muito especial!

Até a próxima! Ótimos Vinhos! Tim-Tim!

Referências: Diguste, Assessoria de Imprensa.

Cheers For Brasil: Celebrando o Terroir Nacional

O cenário foi a Casa Brasil, em plenos Jogos Olímpicos Rio 2016. O protagonista foi nada mais nada menos que o nosso amado Vinho Fino Nacional. No evento Cheers For Brasil, imprensa e profissionais do setor conferiram o sabor e a qualidade de alguns dos rótulos mais aclamados do país.

logo

Promovida pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), o evento teve o objetivo potencializar a formação da imagem dos vinhos brasileiros no mercado e na mídia nacionais e internacionais.

Entre as vinícolas participantes estavam a Casa Valduga, Domno (Importadora do grupo Valduga), Vinícola Góes, Salton, Rio Sol e Lídio Carraro.

DOMNO

O primeiro stand que visitei foi da importadora Domno, do grupo Valduga. Conhecida pela elaboração de espumantes através do método charmat, a empresa apresentou a excelente linha Nero. Sem dúvida, os meus queridinhos foram o Blanc de Blancs Brut (100% Chardonnay) e Noir de Noirs Brut (Rosé, 100% Pinot Noir).

CASA VALDUGA

Uma das vinícolas brasileiras mais prestigiadas, que certamente não poderia ficar de fora. Entre os vinhos, me apaixonei pelo Leopoldina, Chardonnay barricado, cremoso e aromático. Na minha opinião, o melhor branco do evento. Vale destacar, ainda, os tintos da linha Raízes, tanto o Corte 2010 (Cabernet Franc, Cabernet Franc e Tannat) quanto o Raízes Cabernet Sauvignon.

VITIVINÍCOLA  SANTA MARIA 

Uma das empresas mais famosas do Vale de São Francisco também marcou presença, seja com seus espumantes (Brut, Rosé e Demi-Sec) quanto com os Tintos, todos da linha Rio Sol. Quem me conhece sabe que sou entusiasta dos borbulhantes da marca que, para mim, são alguns dos que apresentam melhor custo-benefício.

IMG_20160811_171510556
Stand da Vitivinícola Santa Maria (ViniBrasil)

VINÍCOLA GÓES

O stand da Góes era um dos mais cheios do evento. Afinal, todo mundo queria conferir o que o interior paulista tem de bom. A vinícola de São Roque levou o Philosophia Cabernet Franc, que eu estava doida para provar. Não sou muito fã desta casta e confesso que estava curiosa. Achei um pouco amadeirado demais para o meu gosto pessoal, mas para quem gosta, não deixa de ser um bom vinho. Mas, sem dúvida, o destaque foi o branco Tempos Lorena, que é uma híbrida resultado da criação da Malvasia Bianca (70%) e Seival (30%). Apesar da Malvasia, o vinho não é adocicado. Adorei!

IMG_20160811_143626419
Stand da Vinícola Góes e Casa Venturini

SALTON

Me surpreendi com os tintos da Salton, entre eles alguns destinados apenas à exportação. O meu favorito foi o Salton Talento, um corte de Cabernet Sauvignon (60%), Merlot (30%) e Tannat (10%), com passagem por barricas novas de carvalho francês (média tostagem) e mais um ano em cave para amadurecimento. Também curti o Paradoxo Pinot Noir, também detentor de um belo custo-benefício. Também adorei o Tannat, mas tenho quase certeza de que este último está disponível apenas para exportação.

LÍDIO CARRARO

Com sua filosofia purista, a Lídio Carraro vem se destacando no cenário do vinho mundial. A empresa levou alguns dos seus carros-chefes, entre eles os oficiais da Rio 2016, o Rosé Faces Pinot Noir e os espumantes Faces Brut Blanc de Blancs (100% Chardonnay) e Rosé. O Dadivas Chardonnay é um belo branco, frutado e de grande expressão. Mas meu preferido foi o Grande Vindima Merlot, com certeza um dos grandes vinhos do evento.

IMG_20160811_154006182
O evento contou com grandes nomes do cenário vitivinícola brasileiro

As comidinhas ficaram a cargo da Churrascaria Fogo de Chão. Tudo muito saboroso e em harmonia com os belos rótulos apresentados no evento. No mais, eu não conhecia a área nova e revitalizada do Porto e me surpreendi muito positivamente. Tudo lindo, esbanjando arte e brasilidade. Vale a pena conhecer!

Olimpíadas 2016: Linha Faces, da Lídio Carraro

Uma vinícola gaúcha se superou na arte de unir duas das nossas maiores paixões: vinho e esporte. A Lídio Carraro foi selecionada pelo Comitê Organizador dos Jogos para produzir vinhos e espumantes exclusivos com a marca Rio 2016. E não é de hoje que a empresa desenvolve produtos com esta temática. Em 2014, ela também foi responsável pelos vinhos da Copa do Mundo da Fifa.

Faces-Olímpiadas-Rio-2016

A Linha Faces foi a escolhida para representar o espírito esportivo tanto na Copa de 2014 quanto agora, nas Olimpíadas do Rio de Janeiro. Afinal, nada como um vinho 100% nacional para divulgar um superevento realizado em nosso país.

A LINHA FACES

Entre os exemplares com o selo Rio 2016 estão um Chardonnay, o Merlot e um Rosé Pinot Noir (safra 2015). Este último é, sem dúvida, o meu preferido, até porque não resisto a um bom rosado. Também já tive o privilégio de provar o espumante Faces Rosé, igualmente agradável e perfeito para celebrar vitórias. Espumante e Festa, no esporte, têm tudo a ver (vide as corridas automobilísticas). Estão disponíveis, ainda, os Espumantes Faces Brut Blanc Des Blancs (100% uvas brancas) e Faces Moscatel.

Faces-Rio-2016_editado-500x500

FILOSOFIA PURISTA

A Lídio Carraro é adepta da filosofia purista, ou seja, prioriza o terroir e a mínima interferência no manejo da uva, buscando o aperfeiçoamento através do mapeamento do solo e sua origem. Tal conceito foi implantado pela enóloga Mônica Rossetti, que hoje vive entre a Itália e o Brasil. Vale ressaltar, ainda, que a vinícola não faz correções químicas e nenhum dos seus vinhos passa por madeira. Os taninos são provenientes das próprias uvas, que orquestram tudo isso com excelência. Ou seja, inovação total num mundo onde se costuma supervalorizar o carvalho nos vinhos.

LC1518022016.jpg
O Diretor Comercial Juliano Carraro e a Enóloga Mônica Rossetti apresentam a linha Faces Rio 2016.

E aí? Já escolheu seu Faces favorito para te fazer companhia durante a cerimônia de abertura de hoje à noite? Nada como entrar no clima do espírito olímpico com uma boa taça de vinho.

Boa sexta! Bons Vinhos! Tim-Tim!