Entenda os Diversos Estilos de Rosados (Rosé e Claret)

Até que enfim estou de volta com mais um artigo! Desta vez, cheguei com um assunto bem interessante sobre o qual andei lendo muito ultimamente. Quem me conhece sabe da minha paixão por néctares rosados e do quanto tenho me esforçado para quebrar paradigmas, sobretudo quando se trata daqueles seres preconceituosos, que dizem que “Rosé não é sinônimo de qualidade” ou, simplesmente, “Vinho de Mulherzinha”.

16930242136_1b241e2c92_z

Então, eu sempre ouvi falar de Vinho Rosé e Claret como se fossem dois estilos distintos e isso é a mais pura verdade, principalmente no diz respeito à forma com que ambos são elaborados.

VINHOS DE VERÃO

Sabemos que tanto o rosé quanto o claret atingem seu pico de consumo nas épocas mais quentes. Afinal, não é segredo que o calor faz com que o nosso corpo (e, sobretudo a nossa mente) peça vinhos próprios para serem servidos geladinhos. Nessas horas, um bom branco ou rosé são sempre perfeitos!

Mas não é só o frescor que nos atrai nesse tipo de vinho. Estudos de neuromarketing garantem que a cor da bebida atua como um importante gatilho para o consumo em determinadas épocas do ano (no verão, por exemplo). Assim como a luz e o calor, de certa forma, trazem mais felicidade, as cores vívidas e alegres desses vinhos despertam e ativam regiões do nosso cérebro que nos fazem optar por eles. Sim, em busca da felicidade!

Não bastasse tudo isso, a culinária mais leve dos dias de calor harmoniza superbem com os rosados. Enfim, Saladas e frutos do mar acabam caindo como uma luva em qualquer ocasião.

ROSÉ X CLARET

Quando se trata de rosés e claretes, tanto seu método de produção quanto a forma de comercialização são aspectos que devem ser levados em conta a hora de diferenciá-los.

rosados

Portanto, não cabe a mim dizer se um ou outro é melhor. Afinal, são, apenas, diferentes. E nisso o que vale mesmo é a opinião de enólogos, vinhateiros e amantes desse estilo de vinho (tipo eu ou você).

VINHO CLARET

O que é claret?

O Claret é uma especialidade de Bordeaux que vem conquistando popularidade. Trata-se de uma homenagem ao vinho que era exportado ao Reino Unido na Idade Média e inspirou o termo em inglês claret, usado para descrever um bordeaux tinto. 

Possui mais personalidade e vigor que um vinho rosé. Porém, é menos tânico que um tinto. Sua coloração costuma ser rosa-escuro ou vermelho-claro, com tons de cereja. Frutado e fácil de beber, é ideal para ser apreciado como aperitivo ou entrada com grelhados.

acorn-2655580_640

A casta preferida para a sua elaboração é a Merlot, mas podem ser usadas, ainda,  Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon. As cascas das uvas são maceradas com o mosto por até dois dias, em vez das 4 ou 5 horas usadas num rosé. Vale destacar que, de vez em quando, o vinho é ligeiramente envelhecido em barricas. Vai bem se for consumido gelado no ano seguinte à safra.

* As legislações atuais proíbem a antiga prática de misturar vinho tinto com branco para obter o clarete. Portanto, o mesmo acaba sendo produzido por meio de uma maceração mais longa.

 VINHO ROSÉ

O termo rosa vem do francês “roseé” muito popular em Provence, uma região da França conhecida como uma das maiores produtoras do mundo em se tratando de rosados.

bottles-2490657_640

No geral, o vinho rosé é um meio termo entre um tinto e um branco. São vinhos jovens, sem potencial de guarda. As cascas das uvas tintas utilizadas costumam ficar bem pouco tempo em contato com o mosto (tudo depende da estratégia do enólogo). O resultado é um vinho de cor rosa-claro, parecido com salmão ou casca de cebola, em que predominam os aromas de flores brancas, pêssegos, entre outros. Em boca possuem um ponto de acidez muito agradável, sendo, assim, frescos e superfáceis de beber.

MÉTODOS DE PRODUÇÃO

Rosés e claretes podem ser produzidos de diversas formas. Ou seja, não existe um único método ou uma receita única. Tudo vai depender da estratégia do enólogo e do que se pretende em relação ao vinho.

Maceração curta

Chamamos maceração todo o período em que as cascas das uvas permanece em contato com o mosto (suco). Esta define bem o que é um vinho rosé: um meio termo entre um vinho tinto (que passa por longa maceração, de dias ou semanas) e um vinho branco (no qual o contato das cascas com o mosto é mínimo e dura o exato tempo da prensagem). Os vinhos rosés produzidos por esse método costumam ter tempo de maceração entre 6 e 24 horas.

Compressão direta

Aqui, as uvas tintas são vinficadas da mesma forma que as uvas brancas, sendo prensadas assim que chegam à vinícola. Logo, o contato das cascas com o mosto é mínimo, assim como na produção de um vinho branco.

Sangria

Muito usada na Califórnia (EUA). O vinho rosé produzido por esse método é, na verdade, um subproduto da produção de vinho tinto. Durante a fermentação de um vinho tinto, pode-se drenar cerca de 10% do suco, de maneira a produzir um tinto com aromas e sabores mais concentrados. O líquido desta drenagem, ou sangria, é então fermentado, produzindo rosé. Os vinhos produzidos com o método de sangria costumam ser rosés tipicamente mais escuros e mais alcoólicos (ou seja, praticamente um clarete, entenderam?).

Corte de vinho

Nesse processo, misturam-se vinho tinto e vinho branco já vinificado, após a fermentação. Ao contrário do que é dito e repetido, o Champagne rosé não é produzido por esse método, e, sim, pela maceração curta (num limite de até 72 horas).

Mistura de uvas

Cada vez menos utilizado, esse método consiste na mistura de uvas brancas e tintas, antes da fermentação. É um método de difícil controle e o resultado dos vinhos, nesse caso, costuma ser duvidoso.

HARMONIZAÇÃO

Não importa se o rosé é mais claro, com menos corpo (estilo Provence) ou mais escuro e substancial (como um clarete). Em se tratando de combiná-los com a gastronomia, poucos estilos são tão versáteis.

harmonizando-vinho-rose

As harmonizações mais clássicas são com peixes mais gordurosos, como Atum e Salmão, sushi, entre outros pratos à base de frutos do mar. Porém, no caso do clarete, por ser mais intenso em taninos, considero perfeitamente possível combinar esse estilo com carnes pouco gordurosas, indo desde de frango a um belo bife de filé mignon, sem comprometer o resultado.

Nesse artigo AQUI eu dou várias outras sugestões de pratos que harmonizam com os nossos amados rosés.


E, claro, rosé combina com calor e com frio (por que não?). Com jantar formal e eventos descontraídos. Afinal, quando se trata de vinhos, o que vale é soltar a imaginação! Nada de se limitar, Ok?

Então é isso, amigos! Bons vinhos! Ótimas Combinações! Até a próxima! Tim-Tim!

 

 

Referências: Revista Adega, The Big Wine Theory, Tintos e Tantos, ABS-RJ

 

 

Anakena Cabernet Sauvignon 2015: Esse tem presença!

Não sei se por obra do destino, mas ultimamente tenho degustado muitos vinhos da casta Cabernet Sauvignon. Sim, ela, que foi uma das minhas portas de entrada para o mundo do vinho, há uns 15 anos atrás. E não é por acaso. Afinal, a CS é a uva mais plantada no mundo, sendo, assim, considerada a Rainha das Tintas! Está presente numa gama enorme de vinhos, dos mais básicos aos mais ícones. Das potentes, sem dúvida, é a que eu mais curto!

ANAKENA

E, já que os vinhos dela têm me “perseguido” ultimamente, hoje trago para vocês um rewiew sobre o Anakena Tama Vineyard Selection Cabernet Sauvignon, que recebi da minha parceira WineBrands Brasil. Trata-se de um exemplar bem típico da casta no Chile, proveniente do Valle do Cachapoal, uma das subdivisões do Valle do Rapel.

Se curti? Muito! Por isso mesmo decidi contar tudinho aqui para vocês!

NOTAS DE PROVA

Visual: Vermelho-rubi intenso, sem reflexos.

Olfativo: Nariz com notas de frutas vermelhas maduras, com destaque para a groselha. Nota-se, ainda, presença de madeira, sobretudo nas nuances de chocolate e café. Sem falar numa nota herbácea de pimentão, bem característica. Logo se percebe que realmente se trata de um CS tipicamente chileno. 

Gustativo: Em boca é seco, sápido, intenso e com final persistente. Possui equilíbrio entre maciez, acidez e taninos. Combina com pratos à base de carne, em geral. 

Uva 100% Cabernet Sauvignon
Teor Alcoólico 13,5%
Amadurecimento Entre nove e 12 meses em barricas de carvalho.

Então é isso, pessoal!  Se você é fã da Rainha das Tintas, pode provar sem medo. E qual será o próximo CS a entrar na minha lista, hein? O friozinho vem aí e as possibilidades são infinitas. Me aguardem!

 

Até a próxima! Ótimos vinhos! Tim-Tim!

Descubra Qual o Vinho Mais Caro de Cada um dos Países Produtores

No mundo, existem mais de 70 nações produtoras de vinho. Porém, sabe-se que, historicamente, 90% do vinho mundial vem de apenas 15 países, segundo a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação.

convin6

Ficou curioso para saber quais os vinhos mais caros de cada um desses países? Pois um estudo analisou os dados da Wine-Seacher.com e descobriu tudinho. De famosos rótulos do Velho Mundo a um selo chinês da LVMH com menos de uma década, os resultados foram fascinantes.

Vale lembrar que, apesar da análise dos rótulos, eu não provei nenhum deles, Ok? Esses são dados da Wine-Searcher e servem expressamente para matar a nossa curiosidade. 

*Valores em dólares.

Bora conferir quais os vinhos mais caros em 8 de março de 2018. Se quiser ver a lista completa, basta acessar o site da Wine-Searcher.com.

FRANÇA: DOMAINE DE LA ROMANEE-CONTI ROMANEE-CONTI GRAND CRU, COTE DE NUITS

Também conhecido como o “Borgonha perfeito”, o vinho mais caro do mundo tem frutas ricas e especiarias exóticas no palato, aromas de cereja preta e equilíbrio elegante e acetinado. Um rótulo da safra de 1978 foi vendido por US $ 476.000 (ou US $ 39.000 por garrafa) em um leilão recorde na Christie’s Hong Kong em 2013.

Preço: US $ 18.052,00

ALEMANHA: EGON MULLER SCHARZHOFBERGER RIESLING TROCKENBEERENAUSLESE, MOSEL

Este reverenciado produtor alemão produz os melhores vinhos do Mosel numa propriedade familiar que já sobrevive há quatro gerações (embora suas raízes estejam na Roma Antiga).

egon-muller-2009-mosel-scharzhofberger-riesling-kabinett

Com aromas de cal, notas florais e um final persistente, trata-se de um Riesling superequilibrado.

Preço: US $ 11.600,00

PORTUGAL: W & J GRAHAM’S ‘NE OUBLIE’ PORT *

Especiarias e nozes invadem o nariz desse Porto dourado do Duoro, que conta com notas equilibradas de frutas secas, mel e um toque de acidez de raspas de cítricos em boca. Vendido em quantidades limitadas, em garrafas decanter, esse é um dos vinhos doces mais conceituados do mundo.

20180323112949_24052

Preço: US $ 6.884,00

AUSTRÁLIA: SEPPELTSFIELD PARA VINTAGE TAWNY , BAROSSA VALLEY

Esse elegante fortificado “tipo porto tawny” do Barossa Valley, no sul da Austrália, chega com chocolate rico e café no nariz, seguido de especiarias, cedro e ácido equilibrados em boca. De acordo com o Wine-Searcher, trata-se de um rótulo que vem ganhando popularidade, com preços subindo na mesma proporção.

thumb_lge_document_1601_1

Preço: US $ 6.081,00

EUA: SCREAMING EAGLE SAUVIGNON BLANC, OAKVILLE

O Sauvignon Blanc mais top de Napa vem de Oakville, uma área situada entre Rutherford e Yountville. Produzido em quantidades limitadas desde 2010, a garrafa da Screaming Eagle tem notas de ervas e frutas tropicais, com acidez no final.

Screaming-Eagle-Sauvignon-Blanc-label-Oakville-white-wine-most-expensive-napa-valley-barrel-world

Preço: US $ 3.873,00

ESPANHA: TESO LA MONJA, TORO

Espere um nariz adocicado de carvalho, bem como sabores marcantes e equilibrados nesse Tempranillo, que chega com nuances que vão de cerejas, amoras e cassis a um toque de alcaçuz. Trata-se de um rótulo que desde o ano passado tem crescido exponencialmente em popularidade, estando bem adaptado ao envelhecimento em garrafa.

tesolamonja

Preço: US $ 1.104,00

ITÁLIA: MASSETO TOSCANA IGT, TOSCANA

O vinho toscano mais caro ($$$$) ganhou altos elogios de Jancis Robinson (que premiou a safra 18/20 de 1987) por sua delicada estrutura. Caracterizado por frutos negros maduros, esse vinho, elegante e redondo, conta com um excelente potencial de envelhecimento.

masseto-toscana-igt-tuscany-italy-10246455

Preço: US $ 767,00

ÁUSTRIA: WEINLAUBENHOF ALOIS KRACHER TROCKENBEERENAUSLESE KOLLEKTION, BURGENLAND

Nomeado “Enólogo do Ano” pelo menos seis vezes pelo Wine Journal de Londres, o lendário austríaco Alois Kracher produz garrafas ricas e vitoriosas. Esse vinho doce  apresenta notas de damasco, entre outras frutas secas.

kracher

Preço: US $ 649,00

ARGENTINA: CATENA ZAPATA ESTIBA RESERVADA, AGRELO

De cor púrpura, esse elegante corte bordalês oriundo de uma das vinícolas mais prestigiadas da Argentina apresenta frutas vermelhas, como cerejas e cassis, bem como aromas de couro e defumado. Espere por taninos aveludados e final persistente.

26696

Preço: US $ 389,00

CHINA: AO YUN, YUNNAN

O primeiro vinho chinês da luxuosa grife LVMH, é nada mais nada menos que  um blend de Cabernet Franc-Cabernet Sauvignon, com  frutas vermelhas maduras e especiarias no nariz, bem como café e groselha negra em boca. O final é persistente e elegante.

ao-yun-yunnan-china-10825835

Preço: US $ 292,00

OUTROS PAÍSES (INCLUINDO BRASIL!)

Israel Golan Heights Winery Yarden Katzrin Red, Galilee Preço: $274.00
Nova Zelândia Destiny Bay ‘Magna Praemia’, Waiheke Island Preço: $264.00
Chile Vinedo Chadwick, Vale do Maipo Preço: $243.00
África do Sul De Toren ‘The Black Lion’ Shiraz, Stellenbosch Preço: $243.00
Suíça Weingut Daniel & Marta Gantenbein Chardonnay, Graubunden Preço: $197.00
Hungria Disznoko Kapi Vineyard Tokaji Aszu 6 Puttonyos, Tokaj-Hegyalja Preço: $183.00
Canadá Inniskillin Cabernet Franc Icewine, Península de Niagara Preço: $183.00
Grécia Estate Argyros Vin Santo 20 Years Barrel Aged, Santorini Preço: $122.00
Eslovenia Edi Simcic Kolos, Goriska Brda Preço: $111.00
Uruguai Familia Deicas ‘Massimo Deicas’ Tannat, Juanico Preço: $88.00
Croácia Bura Dingac, Peljesac Peninsula Preço: $70.00
Líbano Ixsir ‘El Ixsir’ Preço: $63.00
Brasil Pizzato ‘DNA 99’ Single Vineyard Merlot, Vale dos Vinhedos Preço: $63.00
Bolívia Rujero Bolivian Singani Preço: $39.00
Georgia Telavi Wine Cellar Marani ‘Satrapezo’ Saperavi, Kakheti Preço: $33.00
Bulgária Katarzyna Estate ‘Encore’ Syrah Preço: $25.00
Marrocos Thalvin – Domaine des Ouled Thaleb ‘Syrocco’ Syrah, Zenata Preço: $22.00

Como sempre digo por aqui, apesar de não ter a mínima perspectiva de provar algum dos rótulos acima (pelo menos não tão cedo), supervale a título de curiosidade. E, óbvio, para o caso de saber do que se trata e não deixar passar qualquer oportunidade.

Então é isso, galera do vinho!

Até a próxima! Tim-Tim!

*Referência: Vine Pair

 

 

 

Grupo Miolo: Safra 2018 Já é a Melhor da Década

Amigos, a safra 2018 em toda a região sul está uma coisa de louco. Eu já tinha constatado isso nas redes sociais das vinícolas que acompanho. No entanto, essa semana recebi da Assessoria de Imprensa do Grupo Miolo uma notícia que me deixou ainda mais otimista. Sim, a safra 2018 já é a melhor da década, superando as excelentes vindimas de 2011 e 2012.

Brascat-2017-Day-32.jpg

A Vinícola Miolo está próxima de finalizar a colheita 2018 com uma constatação: há pelo menos 6 anos não se via clima tão propício para a qualidade da vindima no Rio Grande do Sul. Até agora, nesta década, foram 2 safras de qualidade excepcional: 2011 e 2012, mas nenhuma superará a qualidade da de 2018. Nos 3 projetos da Miolo no RS foram colhidos 2/3 do total previsto, que é de 6,2 milhões de quilos de uvas. Desta forma, já é possível afirmar com segurança sua qualidade superior.

Comportamento climático x qualidade da uva da safra 2018

O inverno de 2017 foi um dos mais amenos registrados nos últimos anos, com baixo acúmulo de horas de frio (abaixo de 7,2 °C). Inicialmente isto causou muito temor, pois poderia gerar reflexos negativos na quebra da dormência das gemas das videiras, interferindo no volume de produção em 2018.

Entretanto, o bom estado fitossanitário da copa das videiras no pós-colheita de 2017 compensou a falta de frio e a brotação foi vigorosa e uniforme. O frio menos intenso do inverno e a primavera com temperaturas favoráveis desencadearam o início da brotação, com 15 a 20 dias de antecipação na maior parte das variedades.

Vinicola-Miolo-Logo-500

A primavera transcorreu dentro da normalidade, sem altos e baixos de temperatura, o que acarretou crescimento contínuo da vegetação e floração dentro do esperado. Por influência do frio reduzido do inverno, algumas variedades apresentaram menor número de flores por cacho, deixando-os um pouco mais “ralos”, o que influenciou em um peso médio menor. Em compensação, proporcionou uma maturação com ótima qualidade e sanidade nas uvas precoces, normalmente de cachos mais compactados e suscetíveis às podridões.

As chuvas da primavera e início do verão também ocorreram dentro da normalidade climatológica e apenas no mês de outubro houve uma semana com chuvas um pouco mais intensas, que não causaram danos nas variedades que ainda estavam em floração.

O verão vem transcorrendo com chuvas bem abaixo da média por influência do fenômeno “La Niña”, com reflexos muito positivos na qualidade e sanidade da uva. As temperaturas amenas noturnas estão sendo uma constante no período de maturação, com amplitude térmica média de 16 °C, chegando em alguns casos a ultrapassar 20 °C, favorecendo, assim, o acúmulo de matéria corante nas variedades tintas.

Grupo Miolo: considerações relevantes da safra 2018 nos 3 terroirs do RS

1) Miolo, Vale dos Vinhedos – a safra começou no dia 3 de janeiro com as variedades Pinot Noir e Chardonnay bases para espumantes, com ótimos resultados para a linha Miolo Cuvée Tradition e para o Miolo Millésime, produzido apenas nas melhores safras. Seguiu-se com a elaboração do Miolo Cuvée Giuseppe Chardonnay e, neste momento, estão sendo elaborados os tintos com a variedade Merlot, finalizando em março com a variedade Cabernet Sauvignon, utilizada para a produção dos vinhos Miolo Cuvée Giuseppe Merlot/Cabernet Sauvignon, Miolo Merlot Terroir e o ícone Miolo Lote 43, este elaborado somente nas safras excepcionais.

unnamed (2)

No Vale dos Vinhedos o clima transcorreu de forma adequada, com chuvas limitadas e esparsas, acompanhado de temperaturas mais amenas em relação à média normal. A previsão total de colheita é de 700 mil quilos.

2) Seival, Campanha Meridional – a safra teve início no dia 8 de janeiro com as variedades Pinot Noir e Chardonnay bases para a produção do espumante Seival. Na sequência foram colhidas as variedades Pinot Grigio, Sauvignon Blanc, Chardonnay e Viognier, utilizadas nos brancos das linhas Seival, Miolo Seleção e Miolo Reserva. Já a variedade Alvarinho, será colhida em março para o Quinta do Seival.

unnamed (3)

Para os vinhos tintos a Pinot Noir colhida em janeiro tem agora sequência com as variedades Tempranillo, Touriga Nacional, Merlot e Tannat, finalizando em março com Cabernet Sauvignon e Petit Verdot para as linhas Seival, Miolo Seleção, Miolo Reserva e Quinta do Seival. Finalmente, após 7 anos será elaborada nova edição do Sesmarias.

No Seival o período de grande estiagem a partir de janeiro, surpreendeu pela característica de clima árido, com temperaturas que chegavam a 32 graus durante o dia e, em algumas noites, caíam a 9 graus, propiciando uvas com maturação excepcional – esse fenômeno foi raras vezes observado. Previsão total de colheita: 1 milhão e meio de quilos.

3) Almadén, Campanha Central – a colheita começou no dia 5 de janeiro pela variedade Gewürztraminer, seguindo-se com as brancas Chardonnay, Chenin Blanc, Semillon, Riesling Itálico, Riesling Renano e Sauvignon Blanc – utilizadas na elaboração dos vinhos base espumante e varietais Almadén -, finalizando com a Ugni Blanc. Já para os tintos, a colheita teve início com a Pinotage em meados de fevereiro, seguindo com Merlot e Tannat, com finalização em março com a Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon utilizadas para elaboração de todos os varietais Almadén. Também será elaborado o Vinhas Velhas Tannat, o que acontece somente nas melhores safras.

O clima na Campanha Central apresentou-se seco com precipitações muito limitadas, que, potencializadas por seu solo arenoso, propiciaram períodos de longa estiagem. Temperaturas amenas à noite favoreceram a maturação ideal das uvas. A previsão total de colheita é de 4 milhões de quilos.

“A safra 2018 para a Miolo ficará na história, pois produziremos todos os nossos grandes vinhos que são elaborados exclusivamente em safras excepcionais. Além disso, uma safra de qualidade como esta vem para coroar todo o trabalho de dedicação e inovação que foi realizado ao longo dos anos em prol da melhoria da qualidade. Agora, vamos ficar na expectativa de que o mercado reconheça isso e, desta forma, melhore a imagem e participação dos vinhos brasileiros na mesa dos brasileiros”, afirma Adriano Miolo, superintendente do Grupo Miolo.

Em meados de março está previsto o término da colheita nos três projetos da Miolo no Rio Grande do Sul (este ano a vindima foi precoce) e início da safra no projeto Terranova, no Vale do São Francisco (BA), que se estenderá até o final de 2018 com a previsão de que sejam colhidos aproximadamente 3 milhões de quilos de uvas, totalizando, assim, uma colheita de 9,2 milhões de quilos nos quatro projetos da empresa na safra 2018.

O Grupo Miolo

O Grupo Miolo possui projetos em 4 regiões do Brasil com vinhedos próprios: em Bento Gonçalves (RS), no Vale dos Vinhedos – Vinícola Miolo (100 hectares); em Candiota (RS), Campanha Meridional – Vinícola Seival (200 hectares); em Santana do Livramento (RS), Campanha Central – Vinícola Almadén (450 hectares); e em Casa Nova (BA), Vale do São Francisco – Vinícola Terranova (200 hectares).


Pois é, amigos, estou com uma expectativa enorme com essa safra. Não só com relação aos vinhos da Miolo, mas para as vinícolas de toda a região sul. Sem dúvida, promete vinhos de altíssima qualidade. Então é isso! Hoje teve post em caráter extraordinário por conta dessa notícia incrível do Grupo Miolo.

Até a próxima! Ótimos vinhos! Tim-Tim!

 

 

Vinhos Perfeitos Para Harmonizar Com as Ceias de Fim de Ano

Enoamigos, eu simplesmente adoro o Natal, o Ano-Novo e tudo o que envolve essa época do ano (com exceção do calor, é claro!). No que se refere à gastronomia, por exemplo, alguns pratos já são supertradicionais, como Panetone, Chester, Pernil, Tender, e Rabanadas. E, sem dúvida, todas essas iguarias combinam muito mais com vinhos do que com qualquer outro tipo de bebida.

Christmas-Dinner

Mas, aí, talvez você se pergunte: Com quais vinhos? Sim, quando se trata de tanta variedade de pratos, é normal a gente se confundir  na escolha!

Pensando nisso, abracei meus livros de harmonização e resolvi traçar esse pequeno guia para criarmos verdadeiros enlaces felizes entre as delícias de fim de ano e os nossos amados vinhos. Ah, e com dicas de rótulos para vocês! Curtiu? Então, Vamos lá!

PERU, FRANGO E CHESTER

Esses pratos são tão tradicionais que dificilmente você verá uma ceia sem, pelo menos, um deles. E eles estão presentes desde os tradicionais assados até o salpicão. São carnes de boa suculência e temperos marcantes, que pedem vinhos elegantes, leves e de taninos pouco acentuados. Vamos aos vinhos.

Latido de Sara Rosé, Navarra (BelleCave, 75,00):

Um Rosé espanhol 100% Granacha, de Navarra. No nariz, frutas suculentas e um frescor que combina demais com o verão e as festas de fim de ano.

latido de sara

Wave Series Pinot Noir, Chile (Pão de Açúcar, 49,90):

Um tinto leve com ótima tipicidade de Leyda Valley, no Chile. Perfeito para ser servido fresco, com temperatura em torno de 12, 13 graus. Um excelente pinot sul-americano com ótimo custo-benefício.

wave series

PERNIL E TENDER

Mais dois pratos clássicos e que marcam presença em muitas mesas brasileiras. O Tender é meu favorito! Com mel e cravo fica uma combinação agridoce diferente que eu amo! O pernil, na casa dos meus pais, por exemplo, demora mais de um dia para ser assado. Para essa dupla imbatível e suculenta, tintos mais potentes e incorpados costumam ser sucesso garantido.

Barone Montalto Acquerello Syrah Terre Siciliane IGT 2015 (Grand Cru, 64,00)

Um Syrah italiano que faz jus aos rótulos da Sicília, que têm surpreendido muito posivamente. Frutas vermelhas, alcaçuz e um mentolado que chama a atenção a cada girada de taça. Isso com o Tender..Hummm… salivei só de pensar.

barone_montalto

Eis um Tannat brazuca de responsa, perfeito para uma ocasião especial. O Corcéis, da Vinícola Helios, inclusive foi medalha de ouro na Grande Prova de Vinhos do Brasil 2017. Um rótulo de presença, com estágio em barrica e que esbanja potência e fruta madura. Com o pernil é nota 1000!

corcéis

BACALHAU

Mais um super campeão de audiência das festas brasileiras! Herança dos portugueses, os pratos à base de bacalhau são tão variados que eu nem me arrisco em citar um mais específico. Ele está presente inteiro, em postas, ou desfiado em saladas, entre outras delícias de forno. Gosto de harmonizar bacalhau de duas formas, ambas sob o aspecto regional. Com branco e tinto. Eis os eleitos:

Vinho Verde Alvarinho Deu La Deu Branco (na facha de 100,00)

Esse Alvarinho é um de melhores custos-benefícios do mercado em se tratando de vinho verde. Elaborado com a casta Alvarinho, tem ótima acidez e elegância, com aromas de frutas tropicais, mel e um toque herbáceo.

ALvarinho

Monte Velho Escolha dos Enólogos 2016 (Wine.com, 49,00)

Tanto o do Rótulo Azul, vendido na Wine, quanto o clássico Monte Velho do rótulo preto, é sucesso garantido em termos de qualidade e preço. Muitas frutas vermelhas, com destaque para framboesas e amoras. É um corte de Aragonez, Trincadeira, Touriga Nacional, Syrah que expressa de forma leve e elegante o terroir do Alentejo. Aproveita que a Wine está com frete grátis para as regiões sul e sudeste neste fim de ano e se joga!

montevelho

 

RABANADA E PANETONE

Enfim, chegou a hora de fechar a ceia com chave-de-ouro, com as saborosas rabanadas e o tradicional panetone de frutas. Para eles, indico vinhos de sobremesa que tenham o mesmo ou maior teor de doçura que o dos pratos em questão. 

Espumante RAR Moscatel (RAR, R$42,05)

O RAR Moscatel é produzido no Vale do São Francisco, região do Nordeste que demonstra dia após dia uma vocação nata para espumantes. Possui aroma intenso, fresco e típico, com notas de jasmim e outras flores brancas, guaraná, cítricos e mel. Perlage fino e elegante, além de uma doçura típica dos vinhos com esse estilo.

rarmoscatel

De Martino Legado Sémillon Late Harvest 2005 (350ml) (Decanter, R$158,00)

Muita gente não daria R$158 num vinho de sobremesa. Mas, quem aprecia os doces botritizados (atacados pela podridão nobre) vai se encantar por esse chileno 100% Sémillon. É simplesmente o melhor que já provei do estilo em se tratando de Novo Mundo e, sem dúvida, apresenta-se como um opção mais em conta que os caríssimos Sauternes. De coloração âmbar opaca, chega intenso, com notas de damasco seco, mel, compota de laranja, marzipã e tabaco. Fresco e cheio de presença em boca, possui final muito persistente. Muito especial!

DeMartino


Então é isso, enoamigos, adoro terminar um post inédito com sensação de dever cumprido. Sim, 2017 foi um ano de muitas descobertas profissionais e, em termos vinífetros, nem se fala! Conheci muita gente especial, fiz amizades queridas… enfim, estou pronta para recomeçar com ainda mais gás. Me aguardem!

E, claro, nessa brincadeira não podemos nos esquecer dos espumantes! Sim, as borbulhas são versáteis e os de estilo Brut, Extra-Brut e Nature, por exemplo, podem acompanhar uma refeição completa da entrada ao prato principal. Esses eu vou deixar para um próximo post, Ok? Me aguardem! 

Só na contagem regressiva para 2018!

new-years-eve-2840098_640

Até a próxima! Ótimos vinhos! Boas festas! Tim-Tim!