La Vie en Rosé: Saiba Tudo Sobre os Rosados, com Direito a Dicas de Vinhos Para Curtir na Primavera

O que é o que é: não é tinto, mas tem tanino. Não é branco, mas esbanja acidez. Sim, é ele! O meu queridinho Rosé, que me encanta, sobretudo, por sua versatilidade e variedade de estilos. 

Com a chegada oficial da Primavera, os rosados se apresentam como ótimas opções, seja para acompanhar o happy hour e as festinhas à beira da piscina ou simplesmente para apreciar um belo pôr-do-sol à beira mar.

rosé_chapéu

Liberte-se do preconceito e se abra ao Rosé, que foi a bebida oficial do último verão na França, onde cujas vendas já ultrapassaram as do vinho branco! Sem falar que é o favorito de celebridades como Madonna, Sting e Drew Barrymore. Mas, se você pensa que se trata de uma moda recente, saiba que o Rosé faz parte do mundo do vinho há séculos.

DE ONDE VEM O VINHO ROSÉ

Se o vinho tinto é feito com uvas tintas e o branco com uvas brancas, do que é feito o rosado? Uma vez que as uvas rosadas não existem (com exceção da Zinfandel, mas aí é outra história), a melhor forma de se produzir um bom Rosé é através do contato do suco da uva (mosto) com as cascas. Afinal, são elas que contém as antocianinas, substâncias que transmitem cor à bebida. E quanto maior for o contato do mosto com as cascas, mais cor terá o vinho!

drink-2428702_960_720

Ou seja, a cor do Vinho Rosé se dá pelo contato do suco (mosto) com as cascas, visto que, sem elas, o resultado será simplesmente o de um vinho branco. E esse contato dura o tempo necessário para um vinho mais claro, casca de cebola, ou mais escuro, em tom de cereja. Pode durar de 1 a 6 horas, de acordo com a preferência do enólogo.

UM POUCO DE HISTÓRIA

Os vinhos mais claros sempre estiveram presentes ao longo da história do vinho. Evidentemente, o termo rosé não era empregado, mas o aspecto lembrava muito essas cores rosadas, alaranjadas e as várias tonalidades assumidas pelo rosé. Isso é mais ou menos intuitivo de conceber, pois em épocas remotas, a técnica de vinificação era rudimentar e pouco dominada. Portanto, as macerações eram relativamente curtas e os vinhos eram tomados normalmente jovens.

clambake-2666866_960_720

Além disso, era muito comum fermentarem juntas, uvas brancas e tintas. Não havia o conceito de envelhecimento do vinho, sobretudo antes da existência da garrafa e da rolha. Este gosto antigo chamava esses vinhos como vinhos de prazer. Os vinhos de cores mais acentuadas, semelhantes ao que conhecemos hoje, eram denominados vinhos de alimentação, destinados aos trabalhadores braçais. Eram frutos de macerações longas, prensagens grosseiras, elaborados com pouco cuidado. Os termos usados para esses vinhos eram vin nourriture e vinum rubeum.

Na Idade Média, em vários quadros onde o vinho aparece, notamos uma cor que nos lembra os vinhos rosés. Na época, chamado de Vinum Clarum ou Claret. A foto abaixo ilustra este fato.

vinum-clarum

4 RÓTULOS PARA DESCOBRIR OS ROSÉS

Agora que vocês já conhecem um pouco mais sobre os Rosados, que tal ir mais a fundo e degustar Rosés de países e estilos diferentes? Aqui eu indico 4 rótulos para começar a brincadeira:

  1. Rosé Francês:

    Falar de rosé no mundo é falar de França. E falar de França, é falar de Provence, seu grande vinho emblemático. 

L’Opale de la Presqu’Ile de St. Tropez é um vinho elegante, fresco e muito saboroso. O visual é de coloração casca de cebola, acobreado, é bem típico da região. Límpido e muito brilhante, possui aromas que lembram rosas, morango fresco, cereja e canela.

provence_2

2- Rosé Português:

Cor-de-rosa e refrescante, o estilo do Mateus, Rosé mais vendido em Portugal, conta com uma efervescência ligeira e extremamente versátil.

vinho_mateus_rose

Criado em 1942, o Mateus tem aquela garrafa linda e estilosa, cujo formato foi inicialmente inspirado nos cantis usados pelos soldados na Primeira Guerra Mundial. Era o preferido de Jimmy Hendrix e, até hoje, dizem que a Rainha Elizabeth II tem sempre uma garrafinha de Mateus em sua adega.

3- Rosé Argentino:

O estilo do Rosé Argentino, elaborado com a uva Malbec, costuma tender mais para a cor cereja. Em alguns casos chega a ser só um pouco mais claro que um tinto. O Crios, da Susana Balbo, na minha opinião, é o melhor em termos de cor, olfato e paladar. Possui nuances de frutas vermelhas e negras frescas, com notas florais. Ótimo Custo-benefício, da Importadora Cantu Wines.

rosé_crios

5 – Rosé Brasileiro:

Claro que eu não poderia deixar de sugerir um Rosé 100% nacional. Sou simplesmente APAIXONADA pelo Marie Gabi, da vinícola Routhier & Darricarrère, da Campanha gaúcha (RS). A cor dele é um casca de cebola bem clarinho, do tipo que fica macerando por, no máximo, 1 hora. Além do rótulo fofo, o Marie Gabi possui toques cítricos e herbáceos. No aroma, notas florais, de amêndoas e frutas vermelhas. Vale a pena!

routhier-rose-marie-gabi


Então é isso, viníferos! Fico feliz em ver que mais e mais enófilos estão se rendendo ao néctar rosado, que ainda tem muito o que ser descoberto. Todos os rótulos listados acima foram provados e aprovados por mim e a maioria conta com um ótimo custo-benefício.

Até a próxima! Ótimos vinhos! Tim-Tim!

Referências: Vine Pair, Vinho Sem Segredo

Anúncios

Wine Drinks: Brinde à Vida com Pisco e Espumante Rosé (Morango Sparkler)

Como visitar o Chile e não trazer uma garrafa de pisco na mala? E, chegando em casa, claro, comecei a explorar a internet em busca de receitas de drinks diferentes, que saíssem do tradicional “Pisco Sour”. Até que, enfim, encontrei uma que une o destilado com nada mais nada menos que Espumante Rosé (uma das minhas paixões!). O resultado é mais um Wine Drink inédito aqui para vocês.

O diferencial dessa receita é o Xarope Simples de Morango, que serve, ainda, para saborizar outros drinks e soltar a criatividade. Por isso, primeiro vou te ensinar a fazer esse ingrediente. Anote aí:

Ingredientes:

1 kg de morangos lavados e cortados em pedaços
2 kg de açúcar
300 ml de água

Numa panela alta coloque o açúcar e a água, leve ao lume e deixe ferver 5 minutos. Junte os morangos e deixe ferver mais 8 minutos em lume baixo. Desligue o fogo e coe através de um passador de rede fina. Deixe arrefecer e engarrafe, rolhe bem. Guarde em local fresco.

 

Strawberry-Sparkler-Pin

Sim, e agora vamos à receitinha do Morango Sparkler, para você curtir com os amigos no happy hour, no almoço, jantar e por aí vai… Satisfação garantida! Olha só:

MORANGO SPARKLER

Ingredientes:

  • 1 dose de Pisco
  • 1/2 dose de xarope simples de morango (o restante do xarope que  você preparou pode ser guardado numa garrafa e ir para a geladeira, para outros drinks)
  • 3 doses de espumante rosé de qualidade (de preferência seco, sem açúcar residual)

Modo de Preparo:

Junte o Pisco e o Xarope Simples de Morango no fundo de uma flute, tulipa ou copo long drink. Despeje o Espumante Rosé na taça ou copo.  Decore com um morango na borda, assim como na foto abaixo, e voilá!

Sparkling-Strawberries-Social

Então, viníferos, eu já estava com saudades de publicar um Wine Drink inédito para vocês. Afinal, nada como dividir uma paixão com os amigos. E, além do vinho, também gosto muito de mixologia e tudo o que envolve o assunto “Coquetéis”.

Sem falar que quem me conhece sabe o quanto sou entusiasta dos Vinhos Rosés e faço de tudo para divulgá-los por aqui e desmistificar alguns preconceitos.

Até a próxima! Bons Vinhos! Ótimos drinks! Tim-Tim!

 

*Referências: Vine Pair, Blog horta e cozinha, Petiscos. 

Ávidos Douro: História de Amor e Inspiração Para o Dia dos Namorados

O Dia dos Namorados está chegando e nada melhor que celebrar com a nossa bebida favorita. Nessa hora, não importa se você tem ou não companhia. O que vale à pena mesmo é se cercar de gente querida e, sim, brindar ao amor em todas as suas expressões. 

COISA DO DESTINO

E quem me conhece sabe que acredito muito em destino. Realmente, nada acontece por acaso. Sendo assim, estava eu dando aquela olhadinha básica no Facebook até me deparar com um vinho de rótulo APAIXONADO. Desse jeito, em letras maiúsculas! Lindo e com um belo coração estilizado. Na mesma hora tive vontade de provar esse néctar romântico e ao mesmo tempo misterioso.

13335664_1804709913093649_5957848383132101623_n

Poucos minutos depois, eis que uma grande-recente-amiga me chama para dizer que poderia me colocar em contato com um dos casais que produz o vinho em Portugal, na região do Douro Superior. O mais curioso é que eles vivem no Rio de Janeiro. “Só podia ser coisa do destino”, pensei.

TUDO COMEÇOU COM UM CASAL APAIXONADO

O amor com que Christiane e Plínio falam de seus vinhos já declara o porquê do nome de seus rótulos principais. Amantes da bebida dos deuses, sempre acabavam visitando regiões vinícolas pelo mundo, ainda que este não fosse o motivo principal de suas viagens. 

13307201_1142766799120542_6935542909881693380_n
O casal Christiane e Plínio Simões

Até que um dia, no meio dessas andanças, se depararam com uma área no Douro, mais precisamente no Douro Superior, na margem direita do rio português. Trata-se da área mais seca e ensolarada do lugar, semi-árida, onde a videira chora e sofre para produzir poucos cachos de maravilhosas uvas. Sim, foi amor à primeira vista como visto nos melhores romances!

“É uma área de beleza pungente, sofrida, onde, de imediato, se é tomado por uma sensação diferente, inquietantemente agradável. Em 48 horas estávamos negociando a área, em 72 assinamos um compromisso e começamos a trabalhar nas vinhas, assistidos por um fabuloso enólogo, que nos ajudou em todos os passos do caminho.” contou Plínio

Após a paixão arrebatadora, o casal passou a pesquisar toda a história do lugar, tentando entender ao máximo de onde vinha a energia inusitada daquele terroir, bem como de suas sofridas videiras. Aos pouco, foram descobrindo as origens e  lendas daquela micro-região. Logo, se entregaram por completo, na companhia dos amigos Elsa e Marcos que, igualmente atraídos pelo local, compraram as terras vizinhas e , desde então, se tornaram sócios de Chris e Plínio na produção dos vinhos. 

GUIADOS POR UMA HISTÓRIA DE AMOR E INSPIRAÇÃO

Uma dessas lendas que até hoje inspira o casal trata da história de uma donzela lusa, dos tempos da Lusitânia, que se perdeu de paixão por um conquistador romano. Não aceitando o romance, os pais a esconderam fora dos limites da Lusitânia, atravessando o Rio Douro até a sua margem direita, mantendo-a em propriedades próximas ao rio, na Lousa, justamente onde se encontra o terroir da Ávidos Douro.

alcohol-1853380_640

Nesse local, a donzela passava dias e noites a chorar e a vagar perdida pelas encostas dos morros, com suas lágrimas impregnando as terras com seus sentimentos de amor, paixão, saudade e anseio pelo reencontro.

Estava explicada a energia que Christiane, Plínio, Elsa e Marcos sentiram e que é vivenciada por todos os que visitam os vinhedos, que relatam se sentir “diferentes”, embora sem saber explicar como ou por que.

A ÁVIDOS DOURO

Após esse turbilhão de sentimentos, não foi difícil concluírem que tanto a vinícola quanto seus quatro vinhos tintos (três ainda a serem lançados) deveriam orbitar em torno do amor sempre evocar essas emoções e desejos típicos de quem não se conforma e quer mais, tal qual os casais apaixonados.

ávidos

Logo, o nome Ávidos é uma  homenagem a quem anseia, a quem quer e não se contenta, sonha grande e corre atrás, de um amor, de uma conquista.

Apaixonado, para quem já alcançou o estágio seguinte, já sucumbiu à paixão, sendo esta realizada ou não, assim como o casal da lenda.

Anónimo, para não nos esquecermos do amor perdido que às vezes não mais se consegue sequer identificar, como o soldado da antiga lenda.

E, por fim, Amavio, palavra do português arcaico, quem sabe contemporânea dos  nossos apaixonados, usada para designar uma beberagem que favorece ao amor, ao entendimento, à sedução. Os dicionários antigos não esclarecem que beberagem era essa, mas, para nós, temos a certeza moral de que era o vinho!

NOTAS DE PROVA DO APAIXONADO

APAIXONADO 2016 ROSÉ 12,5% de volume alcoólico

O amor é cor-de-rosa, assim como esse Rosé, elaborado 100% com uvas da casta Touriga Nacional. A cor é linda, delicada e envolvente. Um rosa claro que não se parece com cereja e muito menos casca de cebola. Uma coloração única!

WhatsApp Image 2017-06-04 at 20.18.24

No nariz é floral e frutado, com notas de morango e cerejas frescas. Possui boa acidez e final redondo de média persistência, pedindo mais um gole. Surpreendente para uma primeira safra! Realmente, apaixonante.

APAIXONADO TINTO 2014 – 13,7% de volume alcoólico

Segundo Plínio Simões, o ano de 2014, apesar de períodos de bastante calor e seca, teve na época da maturação das uvas, Agosto e Setembro, temperaturas amenas e alguma chuva, permitindo uma maturação dos açúcares e taninos bastante equilibrada. Estas condições permitiram fazer vinhos muito elegantes e equilibrados com boa acidez e taninos suaves.

O APAIXONADO TINTO 2014 possui coloração rubi intensa, com reflexos violáceos. Produzido com as castas Touriga Franca, Tinta Roriz, Touriga Nacional e Tinta Amarela, se expressa com aroma de frutas vermelhas maduras e um toque de especiarias. Apesar de ter estado por 16 meses em barrica de carvalho, o vinho é bem frutado e a madeira se apresenta de forma equilibrada, responsável por boa parte do “borogodó” do vinho que é, por si só, muito sedutor.

WhatsApp Image 2017-06-04 at 20.17.41

De taninos sedosos, possui um final de boca persistente (contei mais de 8 segundos). Digo para vocês que até da minha parte foi amor à primeira vista, tendo sido inesquecível na comemoração do Dia do Sommelier, no último sábado, 3 de junho.


Enfim,  é muita inspiração junta para esse Dia dos Namorados! E se você quer conquistar alguém, trata-se de uma ótima motivação. Afinal, certamente vai impressionar o seu amor.

Por fim, como bem me disse o Plínio, da Ávidos Douro,

“Um conselho de amigo: se não queres terminar dona de vinhedos, não se aventure na região. No máximo, tome o Apaixonado, tinto ou rosé, ou o Ávidos, Anónimo e Amavio, quando chegarem. De preferência, junto com a cara metade.”

Pois é, Plínio. Esse conselho só me deu ainda mais vontade de visitar essa região tão mítica que somente os casais apaixonados compreendem. Quem sabe um dia não chego naquelas terras em companhia da minha cara metade numa viagem romântica, hein? Me aguardem!


ONDE COMPRAR NO RIO DE JANEIRO:

1) Casa Carandaí
Rua Lopes Quintas, 165 – Jardim Botânico

2) Candy da Barra
Av. Armando Lombardi, 800, Loja N – Barra

3) Delly Gil
Rua Gilberto Cardoso, 1, loja 8 – Leblon (Cobal do Leblon)

ONDE ENCONTRAR NO DOURO, EM PORTUGAL

1) DOC – Rui Paula
Estrada Nacional, 222
Armamar – Douro
Tel.: +351 25465-8123

2). Restaurante Papa Zaide
Provesende – Douro
Tel.: +351 254 731 899

3) Garrafeira Gato Preto
Av João Franco
5050-226 Peso da Régua – Douro
Tel.: +351 25431-3367

4) Doces da Puri
Beco do Jaime 30
5140-182 Parambos -Douro Superior
+351 278 685233
http://www.docesdapuri.com

5) Pousada Barão Forrester
Rua Comendador José Rufino
5070 031 Alijó – Douro
+351 25995-9215

6) Taberna da Helena
Av. Aquilino Ribeiro s/n
5140.058 Carrazeda de Ansiães – Douro Superior
+351 278 615 083

ONDE ENCONTRAR NO PORTO, EM PORTUGAL

1) DOP – Rui Paula
Palácio das Artes, Largo de S. Domingos 18
4050-545 Porto
+351 22 201 4313

2) Restaurante Casa da Foz – Antônio Guimarães
+351 226 177 636


ONDE DEGUSTAR NO RIO:

1) Laguiole
Av. Infante Dom Henrique, 85
Glória – Rio de Janeiro
+55 21 2517.3129 / 98744.8679
reserva@laguiole.com.br
http://www.bestfork.com.br/laguiole/adega.php

2) Giuseppe Grill Leblon
Av. Bartolomeu Mitre, 370
Leblon – Rio de Janeiro
contato@giuseppegrill.com.br
+55 21 2249.3055
http://www.bestfork.com.br/giuseppegrill/leblon/

3) Lorenzo Bistrô
Rua Visc. Carandaí, 2
Jardim Botânico – Rio de Janeiro
http://www.lorenzobistro.com.br
+5521 3114 0855


Um belo Dia dos Namorados com muito amor e vinhos! Tim-Tim!

Vinho Verde Wine Fest: Um Néctar Com a Cara do Brasil

Na última sexta-feira, dia 26 de maio, estive no Vinho Verde Wine Fest. Realizado no Iate Clube do Rio de Janeiro, o evento foi uma verdadeira homenagem ao caldo português que, na minha opinião, é um dos que mais combina com o nosso clima. E não falo só de calor! Sem dúvida, os Vinhos Verdes têm super a ver com a alegria e descontração do público brasileiro.

WhatsApp Image 2017-05-28 at 22.32.32

E foi uma profusão de gente bonita por todos os lados, que apreciou Loureiros, Arintos e Avessos em todo seu esplendor e delícia!

Entre os produtores e distribuidores presentes estavam Abrigueiros – Casa da Senra, Adega de Monção, Agri-Roncão – Quinta de Linhares, Aveleda, Campelo, Enoport United Wines, PROVAM, Quinta & Casa das Hortas, Quinta da Lixa, Quinta das Arcas, Quinta de Carapeços, Quinta de Lourosa, Soalheiro, Solar de Serrade, Vercoope e Viniverde/Adega Ponte da Barca.

WINE FEST MARCADO POR MUITA ALEGRIA E DESCONTRAÇÃO

Logo na chegada, encontrei meu amigo Fernando Lima, do Blog Vinhos com Fernando Lima, que me apresentou suas amigas, enófilas supersimpáticas com as quais fiz logo amizade. Recebemos óculos escuros de armação verde que eram simplesmente a cara do clima de descontração que tomou conta da feira.

WhatsApp Image 2017-05-28 at 22.31.43
Com Luciana Paes Leme, uma das amigas que conheci através do Fernando Lima.

Já que estava cedo, visitamos os stands com toda a calma e conversamos com representantes e produtores. Confesso que me surpreendi com muita coisa! Aliás, muito do que eu conhecia dos vinhos verdes (que na verdade não são verdes e sim elaborados com castas provenientes da Região portuguesa dos Vinhos Verdes) correspondia aos rótulos mais conhecidos e distribuídos aqui pelo Brasil. Ou seja, amei ter contato com as novidades em varietais e vinícolas.

ÓTIMAS SURPRESAS ENGARRAFADAS

Como boa apreciadora dos Rosés portugueses, adorei tudo o que provei do estilo, com destaque para o rótulo da Quinta de Lourosa, primeiro stand que visitei.

quinta_lourosa

Aliás, a própria enóloga da Quinta estava lá e me contou sobre a expressão dos vinhos, sendo que o que me chamou mais a atenção foi um Alvarinho com 13% de teor alcoólico, algo raro em se tratando de vinhos verdes, que costumam ter entre 8 e 11%. “As uvas dessa safra amadureceram além do normal, devido ao clima mais ensolarado. E todo o açúcar se transformou em álcool durante a fermentação”, explicou ela. 

Outra surpresa ficou por conta do famoso Soalheiro Alvarinho Reserva, distribuído pela Importadora Mistral. Possui corpo e complexidade, com um toque discreto de carvalho. Por falar em Alvarinho, ela é a varietal mais célebre da região, justamente por dar origem a caldos mais estruturados.

Soalheiro

Entretanto, os vinhos verdes mais leves também tiveram seu lugar de destaque no evento. Inclusive, segundo minha amiga Marcela Lima, esses são os exemplares que mais combinam com seu paladar. E, na minha opinião, vão superbem geladinhos, na beira da piscina, de preferência como acompanhamento para uma bela porção de bolinhos de bacalhau. Nada mais português e brazuca ao mesmo tempo!

18738458_1366279720119672_1993456056188106532_o
Clima de descontração total!

No quesito vinhos leves, entre os que mais me chamaram a atenção estavam o meu queridinho Acácio e o Terra de Camões, ambos de ótimo custo-benefício. Porém, entre os leves, amei muito a linha Estreia, distribuída pela Adega Cooperativa Ponte da Barca.

WhatsApp Image 2017-05-28 at 22.28.00

O do rótulo Estreia verdinho, feito com Loureiro, Trajadura e Arinto foi o meu favorito! O Rosé deles (Vinhão, Borraçal e Espadeiro) também não decepcionou. Já tinha me deparado com esses rótulos à venda no supermercado Pão de Açúcar e por pouco não comprei para experimentar. Estou até agora pensando o que eu tinha na cabeça para não ter levado nem uma garrafinha.. rsrsr.

SHOWCOOKINGS E “CONVERSAS COM VINHO”

E o Wine Fest de sexta contou, ainda, com 2 Showcookings e 3 Conversas Com Vinho. Infelizmente não pude acompanhar todos eles, devido aos horários disputadíssimos.

Contudo, tive a sorte de acompanhar o Showcooking da Chef Ellen Gonzalez, do Restaurante Miam Miam. Ela explicou para a gente como fazer camarão empanado com chutney de manga e sorvete de coentro. Um prato que harmoniza muito com o Vinho Verde, estrela do evento. Aliás, foi o melhor chutney de manga que já provei na vida. Sem falar que a Chef é simpatica e muito solícita. Uma fofa!

18671025_10212145620093620_2383838280885739355_n
Showcooking com Ellen Gonzalez, do Miam Miam

Logo depois, dei uma conferida no “Conversa Com Vinho” com o Professor Euclides Penedo Borges, da ABS-RJ. Já disse por aqui que sou profunda admiradora do trabalho dele. Afinal, o cara é uma inspiração quando se trata de harmonização entre vinho e comida, tanto que o mesmo falou sobre “Vinhos à Mesa”, demonstrando o quanto os vinhos verdes são gastronômicos. Muito bacana!

O evento contou, ainda, com música ao vivo (um sambinha delícia), além de Food Truck na entrada, que nos brindou com pratos inspirados na culinária lusitana. A feira foi organizada pela Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes.

Enfim, o Vinho Verde Wine Fest de sexta foi um tremendo sucesso, que se repetiu no sábado, quando contou com 3 Master Classes. O Vinho Verde é uma marca internacional que se refere a todos os vinhos produzidos no noroeste de Portugal, uma das regiões mais antigas do país, existente desde os tempos dos romanos.

vinho-verde-wine-fest-chega-ao-rio-de-janeiro_logo

São vinhos em sua maioria leves e jovens, com a cara do público brasileiro e carioca. Quer saber mais sobre os Vinhos Verdes? Então dá uma olhada nesse artigo que escrevi sobre eles, no último verão. 

Então é isso, enoamigos! Até a próxima! Boa semana! Ótimos vinhos! Tim-Tim!

Vinho Verde Wine Fest: www.vinhoverdewinefest.com.br 


Wine Drinks: Sangria Rosé Para Animar o Dia!

Amigos, hoje cheguei com mais um post da série “Wine Drinks”, que é sucesso total entre os viníferos. E quando me deparo com algo diferente e delicioso, o que faço? Corro para dividir com vocês!

Natasha David, co-proprietária do famoso bar Nitecap, em Nova Iorque, criou esse sofisticado wine drink graças à sensibilidade de combinar elementos que harmonizam perfeitamente entre sim.

Sangria_Rosé

Quem me conhece sabe que não resisto a um bom néctar rosado. Além disso, faz tempo que estava à caça de um drink refrescante com Rosé, algo diferente e ao mesmo tempo clássico, como uma típica sangria! Essa é perfeita e fica linda na jarra. Funciona bem  tanto no encontro romântico quanto num bate-papo animado com os amigos.

Caderninho em mãos? Então, bora anotar a receitinha:

SANGRIA ROSÉ

Ingredientes:

  • 250ml de vinho rosé seco (Cor cereja (mais encorpado) ou salmão (ao estilo da Provence), tanto faz). 
  • 120ml de Lillet Rosé
  • 120ml de Chá de Hibisco (eu prefiro o chá de verdade, feito pela infusão das flores desidratadas)
  • 60ml de Suco de Limão Siciliano fresco, espremido na hora. 
  • 60ml de Xarope de Açúcar (basta misturar água com açúcar em fogo (médio) até que o mesmo se dissolva). 
  • 30 ml de Aperol
  • Gelo
  • 200ml de Club Soda 
  • Rodelas de laranja, limão siciliano e morango para decorar. 

Modo de Fazer:

Numa jarra, misture o vinho rosé, Lillet, Chá de Hibisco, Suco de Limão, Xarope de Açúcar e Aperol. Coloque o gelo e mexa bem. Adicione o Club Soda e as Frutas. Sirva, de preferência, em copos congelados. 


Como ainda é sexta, temos tempo suficiente para sair em busca dos ingredientes da sangria, ideal para animar o seu fim de semana! Sem falar que é uma ótima forma de variar o jeito de curtir um belo Vinho Rosé em ótima companhia!

Até a próxima!  Bom Fim de Semana! Ótimos Vinhos! Tim-Tim!

Referência: Food & Wine.com

Wine Drinks: 5 Receitas de Coquetéis com Vinho Rosé

Quem me conhece sabe que não abro mão de um Rosé geladinho! E nem só de espumante e vinho branco vivem os coquetéis com nosso néctar sagrado. Sendo assim, hoje a série Wine Drinks traz receitinhas superfáceis e refrescantes elaboradas com o nosso néctar rosado. Anote e reproduza no recanto do seu lar.

  1. Sangria Rosé de Pêssego

peach-rose-sangria-3

Ingredientes

  • 1 garrafa de vinho Rosé (eu prefiro os no estilo da Provence, de cor salmão clara)
  • ½ xícara de licor de pêssego
  • 1 xícara de suco de pêssego
  • 1/3 xícara de xarope de açúcar (para fazer, é super simples: só ferver um pouquinho de água com açúcar até dissolver). 
  • 3 pêssegos em fatias
  • 1 xícara morangos cortados e framboesas

Modo de fazer

Em uma garrafa ou jarro, misture o vinho, licor, suco e xarope simples. Ajuste de acordo com seu gosto. Adicione frutas e leve à geladeira por várias horas. Sirva com gelo.

Receita by Julie’s Eats & Treats

2. Frosé

frozen-wine-cocktail-3

Ingredientes

  • 1 garrafa de 750ml de rosé (escolha um rosé seco)
  • ½ xícara de açúcar
  • ½ xícara de água
  • 250 gramas de  morangos, descascados e cortados
  • 60ml de suco de limão freco
  • 1 xícara de gelo
Modo de fazer
  • Despeje o vinho em uma assadeira grande e congele durante pelo menos 6 horas.
  • Leve a água para ferver. Adicione o açúcar e reduza o fogo enquanto mistura até o açúcar dissolver (nada mais nada menos que a receita do xarope de açúcar).
  • Adicione os morangos no xarope e misture bem. Deixe que a mistura descanse por cerca de 30 minutos.
  • Coe o xarope com morango em uma peneira e retire as frutas, não precisa amassar! Refrigere a calda por 30 minutos.
  • Coloque o xarope de morango, o suco de limão, o gelo e o vinho congelado em um liquidificador e bata até ficar homogêneo. Corra para o abraço!

Receita de Basil & Bubbly

 3. Rosé Tropical (Lindo!)

takin-a-beak-mindy-kucan-crdt-tk-330x410
Ingredientes
  • 60ml de rosé
  • 15ml de Gin
  • 30ml de suco de limão fresco
  • 20ml de xarope de grapefruit com canela (ver nota)
  • 30 ml de água com gás
  • Flores e raminho de hortelã para enfeitar

Modo de fazer

Misture o rosé, gin, suco de limão e xarope em um copo. Encha com gelo picado e cubra com água com gás. Mexa. Decore com flores e um raminho de hortelã.

Receita de Calda de grapefruit com canela: misture uma medida de açúcar com uma medida de água e deixe ferver. Quando o açúcar se dissolver, adicione canela em pó a gosto. Aguarde até que a mistura esfrie, em seguida, adicione a mesma quantidade do suco de grapefruit, ou outra fruta tropical.

Receita by Imbibe

4.Rosé Blueberry

ru282309-jpg-rendition-largest

Ingredientes

  • 3 xícaras de granita de Blueberry (ver nota)
  • 2 xícaras de sorvete de coco
  • 2 colheres de sopa de mel
  • 2 xícaras de mirtilos frescos
  • 1 garrafa de 750 ml de espumante rosé
  • 1/2 xícara de manjericão fresco picado

Modo de fazer

Faça a granita de Blueberry e congele. Coloque-a junto com o sorvete em seis copos de 300 ml. Cubra cada um com um fiozinho de mel e alguns mirtilos. Despeje o espumante por cima, decore e sirva na hora.

Receita de Granita de Blueberry

Ingredientes

  • 1 xícara de água
  • 3/4 xícara de açúcar
  • 2 colheres de chá de raspas de limão
  • 6 xícaras de mirtilos frescos
  • 2 colheres de sopa de suco de limão
  • 1/2 xícara de espumante rose
 
Modo de fazer

Em uma panela média, coloque água, açúcar e raspas de limão e deixe ferver em fogo médio, mexendo para dissolver o açúcar. Retire do fogo; transfira para uma tigela grande. Congele durante 15 minutos.

Enquanto isso, passe 4 xícaras de mirtilos em um processador junto com suco de limão, até atingir uma consistência quase de smoothie. Coe em uma peneira de malha fina e descarte os sólidos. Mexa o creme de mirtilo com 1/2 xícara de rose até virar um xarope. Despeje em uma assadeira retangular. Cubra e leve ao freezer por 1 hora. Raspe os lados com um garfo. Cubra e leve ao freezer por mais 2 horas mais ou menos até ficar firme, raspando os lados de vez enquanto.  

Receita de Pinterest | Better Homes And Gardens

 5. Limão Rosé Spritzer

20132360479_6c076537a6_b

Ingredientes

  • 1 xícara de vinho rosé seco
  • 60ml de St. Germain (licor de sabugueiro)
  • suco de ½ limão thaiti
  • gelo
  • água com gás
  • fatia de limão tahiti para decorar

Modo de fazer

Em um copo combine o rosé, St. Germain, e suco de limão. Encha 2 copos estilo long drink com gelo e despeje a mistura de rosé nos copos. Preencha-os até a borda com água com gás e decore com fatias de limões.

Receita by Hungry Girl por Vida


Então, enoamigos! Toda sexta-feira fico ansiosa para garimpar receitinhas de Wine Drinks para vocês. E, sim, essa série já virou um clássico aqui do Vila. Quando não posto, os leitores me cobram! Ainda dá tempo de comprar os ingredientes para animar seu fim de semana. Rosé está longe de ser vinho de “mulherzinha” como pregam os machistas mundo afora. É um estilo muito sedutor de fermentado, pronto para ser desfrutado por quem aprecia e deseja variar na degustação.
Boa sexta! Bom finde! Ótimos vinhos! Tim-Tim!

Descubra Como a Pinot Noir Pode Dar Origem Tanto a Vinhos Tintos Quanto Brancos, Espumantes e Rosés

A Pinot Noir é uma das cepas mais aclamadas da atualidade. Tudo porque, além de saborosa, é extremamente versátil. Afinal, não é todo dia que uma única uva tinta é capaz de dar origem a vinhos tintos, rosés e espumantes. Como isso é possível? A resposta está no método de produção e vinificação que a transformam em um dos néctares mais apreciados por enófilos de todo o mundo.

wine-glass-110988_640

PINOT NOIR BRANCO

Se você cortasse uma uva Pinot Noir você veria que sua polpa possui coloração amarela-esverdeada clara. Já a casca, que tinge o mosto, conta com uma bela e intensa cor vermelha.

Logo, se você quer produzir um vinho branco a partir da Pinot Noir, a primeira coisa a se fazer é separar as cascas do suco o mais rápido possível. Ou seja, esse é o segredo para se produzir um Pinot Noir branco. 

wine-657190_640

As cascas vermelhas das uvas já começam a tingir o suco naturalmente. Por isso, é importante que o produtor já as direcione para a prensa logo após a colheita. Para tanto, utiliza-se uma prensa pneumática especial, própria para vinho branco, que esmaga as uvas ao mesmo tempo em que separa as cascas e as sementes do mosto. Após o processo, esse fica com uma cor tipicamente dourada, bonita e profunda.

PINOT NOIR TINTO

Para se produzir um Pinot Noir tinto, o processo já é diferente. As uvas são coletadas e colocadas em trituradores de uva. Em seguida, todo seu conteúdo é despejado num tanque (casca, polpa, sementes, tudo!). Como a Pinot Noir é uma variedade de casca muito fina, é comum que o mosto permaneça um pouco mais de tempo em contato com a mesma (tanto antes quanto depois da produção do vinho), a fim de absorver o máximo de pigmento possível.

9112686657566

Esses dois métodos são chamados de imersão a frio (antes da fermentação) e maceração estendida (após a fermentação). Alguns vinicultores chegam a adicionar as hastes da Pinot Noir na fermentação com o intuito de extrair ainda mais cor (isso deixa o vinho mais tânico, mas, em compensação, ele ganha bem mais cor e potencial de envelhecimento). Após todo esse processo, você terá um vinho tinto, de coloração vermelho-rubi-média- pálida.

ROSÉ DE PINOT NOIR 

Com relação à produção do Rosé, tudo é questão de timing. Quanto mais tempo as cascas permanecerem em contato com o suco, mais cor terá o vinho.

Para o Pinot Noir, esse parece como uma espécie de combinação entre as vinificações em tinto e branco. As uvas são esmagadas em um tanque junto com as peles e sementes. Em seguida, o mosto (suco) é monitorado pelo produtor, que verifica amostras a cada hora, a fim de examinar o nível de extração da cor. A partir do momento em que o winemaker encontra a cor perfeita, o mesmo separa o mosto das cascas, colocando-o num tanque limpo onde o vinho completa sua fermentação.

151019_bottle_banners_344-edit_2460x800

Grande parte dos produtores produzem seus rosados com menos de 7 horas de contato entre o mosto e as cascas. Mas é fato que varia muito. Podemos tanto ter um Rosé mais claro, casca de cebola ou salmão, como os da Provence, quanto um Rosé mais cereja. Este último eu digo que são uma espécie de tintos travestidos de rosés, pois carregam, junto a cor, muito mais taninos que outros exemplares mais claros.

ESPUMANTE DE PINOT NOIR (BLANC DE NOIR)

O Blanc de Noir nada mais é do que um vinho branco 100% Pinot Noir que fermentou duas vezes. Trata-se de uma especialidade muito aplicada entre os produtores da Champagne.

A segunda fermentação desse vinho especialmente formulado é realizada dentro da garrafa, a  fim de que o dióxido de carbono não escape e acabe por pressurizar a mesma, carbonatando o vinho.

blanc-de-noirs-revista-eno-estilo

O Blanc de Noir pode ser encontrado em diversas regiões produtoras do mundo, inclusive no Brasil, e quase sempre a uva utilizada para sua fabricação é a Pinot Noir (em outros casos, sua variante, Pinot Meunier).


Espero ter conseguido solucionar as dúvidas de muitos iniciantes e iniciados, sobretudo com relação à produção em tinto, branco e rosé. Particularmente, eu adoro os espumantes rosés feitos 100% com uvas Pinot Noir (nesse caso, seria o vinho rosé fermentado duas vezes dentro da garrafa). Comecei a me interessar por vinhos, de forma geral, no momento em que procurei saber mais sobre a produção do espumante. É realmente fascinante!

blancdenoir

Em se tratando de espumante brasileiro Blanc de Noir, recomendo muito qualquer rótulo da Familia Geisse. Amo muito, todos eles! Sem dúvida ainda vamos ouvir falar muito dessa fábrica de borbulhas de Pinto Bandeiras. É tudo maravilhoso!

Boa quarta! Bons vinhos! Tim-Tim!