Taça Viajante: As Delícias de Bordeaux

Em meio a minha série de posts sobre as regiões vinícolas francesas, ontem, imaginem só, minha aula de Degustação na  ABS-RJ foi sobre os vinhos finos do Velho Mundo. Obviamente, o professor Roberto Rodrigues falou sobre diversas regiões, incluindo Bordeaux. Confesso que achei um pouquinho complicado. Afinal, são diversas “sub-regiões”, com um mundo de produtores de vários estilos.

bordeaux_Blaye

Tanto que o professor mesmo, mandou logo a dica: “Quanto maior for o nome Bordeaux, impresso na garrafa, pior é o vinho.”Dentro da minha vivência, isso faz supersentido. Quantas vezes bebi Bordeauxs dos quais não gostei, comprados em liquidações por aí afora? Meu pai mesmo outro dia comprou duas garrafas que estavam “bem em conta”, numa loja de vinhos da região serrana. Resultado: bebemos uma delas, péssima! E a outra está lá, na adega dele, largada…rsrs.

Pois bem, vamos desvendar mais essa bela região vinícola francesa. E, sim, uma das mais famosas! Tudo isso justifica esse marketing em torno do nome, sobretudo para os leigos, que acabam levando gato por lebre.

BORDEAUX

É uma região vinícola localizada no sudoeste da França, na costa do Oceano Atlântico. É a segunda maior região francesa produtora de vinhos finos, só perde para Languedoc-Roussilon.

5429521270_d9dc7aae9d_z
Insira uma legendaChâteau Cos D’Estournel, St-Estephe in the Medoc, Bordeaux France – Foto By Megan Cole

A proximidade do oceano influencia muito o clima da região, tornando-o relativamente fresco e úmido. Isso explica uma significativa variação das safras, observada nos vinhos finos de Bordeaux. Logo, a alta incidência de chuvas nos períodos da floração e colheita podem resultar em um tremendo desastre, sendo fonte de preocupação constante da maioria dos produtores.

Bordeaux é dividida em duas áreas, pelo Rio Gironde. A famosa “Margem Esquerda” é composta por solo calcário, ideais para o cultivo da casta Cabernet Sauvignon. A “Margem Direita”, por sua vez, tem um terroir com mais argila e um pouco de solo calcário, tendo excelentes resultados no plantio das uvas Merlot.

As  mais famosas sub-regiões e denominações de área de Bordeaux são Médoc, Graves, Sauternes, Saint-Emilion e Pomerol. Os produtores do terroir são os mais fervorosos no uso do termo “Château”, um nome que qualifica suas adegas e quintas.

CASTAS DE UVAS MAIS UTILIZADAS

A maioria dos vinhos finos tintos de Bordeaux são resultado de assemblage, ou seja, elaborados com mais de uma casta. Cabernet Sauvignon e Merlot são as principais varietais utilizadas em cortes, sendo que a Cabernet Franc, apesar de ser menos utilizada, desempenha um papel importante em alguns dos rótulos regionais mais procurados, como Château Cheval Blanc e Château Alsone. A Petit Verdot também participa das misturas, porém, em pequenas proporções. Ela traz poderosos aromas florais e taninos densos.

Já os Bordeaux de castas brancas contam com  cortes de uvas Sauvignon Blanc, Semillon e Muscadelle. 

Chateau_Margaux_1960_by_Augustas_Didzgalvis

ESTILOS DE VINHOS FINOS

TINTOS

A maioria dos vinhos finos de Bordeaux é do tipo tinto-seco, além de contar com uma série de denominações regionais, como Bordeaux AC, Bordeaux Supérieur, ou denominações de povoado, como Pauillac (essa meu professor elogiou bastante) e Saint-Estéphe.

1999_Chateau_Mouton_Rothschild

BRANCOS

Bordeaux também produz vinhos finos brancos, relativamente leves e frutados, como os da sub-região de Entre-Deux-Mers. Estes são perfeitos para acompanhar frutos do mar. Eu já degustei um Bordeaux Branco muito bom, com comida japonesa. O resultado foi divino! Alguns dos melhores rótulos brancos da região são fermentados em barris, a fim de se obter uma gama mais diversificada de aromas, como os da área de Pessac-Léognan. Os povoados de Sauternes e Barsac, localizados ao longo do rio, se beneficiam de um micro-clima favorável para o cultivo de uvas que recebem bem a Botrytis (podridão nobre), tornando-os famosos mundialmente por seus vinhos brancos doces botritizados.

Chateau_Villefranche_Sauternes_2002

RÓTULOS FAMOSOS

  • Château Mouton Rothschild, Pauillac
  • Pétrus, Pomerol
  • Château Margaux
  • Château d’Yquem, Sauternes
  • Château Haut-Brion, Péssac-Léognan

Esse é apenas um resumo, que pode beneficiar, sobretudo os iniciantes. Como já foi dito, são várias sub-regiões e povoados esperando para serem descobertos por nós, enófilos estudiosos e dedicados 🙂

Amanhã é sexta e o friozinho está uma delícia. Curtam bastante, com direito a muitos vinhos! Tim-Tim!

2 comentários em “Taça Viajante: As Delícias de Bordeaux

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s